sexta-feira, 16 de agosto de 2013

“Ovos de dragão” extremamente raros estão prestes a eclodir em uma caverna na Eslovênia


Anfíbios raros, apelidados de “dragões”, estão protegendo uma ninhada de cerca de 50 a 60 ovos em uma caverna marinha, perto de Postojna, sudoeste da Eslovênia, e os biólogos estão ansiosos para a chegada dos raros bebês.
Ele é apelidado de dragão por conta de seu corpo alongado, mas os proteus são salamandras cegas aquáticas que comem, dormem e passam a vida inteira debaixo d’água.  Apesar de terem uma vida útil de cerca de 100 anos, os Proteus anguinus só põem ovos uma ou duas vezes por década, ou seja, o que está prestes a acontecer é um evento muito especial.
Embora possam ter até 60 ovos, os biólogos acreditam que só alguns vão acabar eclodindo, e ainda não se sabe quando isso vai acontecer e quanto tempo irá levar. “Neste momento, parece que existem três bons candidatos. A exemplar começou a colocar ovos em 30 de janeiro e ainda está colocando um ou dois ovos por dia, e eles precisam de cerca de 120 dias até que choquem”, explicou Saso Weldt, um biólogo que trabalha na caverna.


Ter três bebês de cerca de 60 pode soar um resultado bastante desanimador, mas graças a um aquário que foi construído dentro da caverna eslovena, essas criaturas possuem uma melhor chance de sobrevivência, longe dos predadores, da poluição e da temperatura.
Atualmente, eles estão sendo monitorados o tempo todo por uma equipe de pesquisadores que definitivamente não vai deixar nenhum tipo de rival arruinar o evento raro, assim como aconteceu em 2013. Segundo um artigo de Jonathan Webb, para a BBC, um proteus da Caverna de Postojna esperava a eclosão de três, há 3 anos, mas nenhum deles se chocou e outros tantos foram devorados por outro indivíduo da mesma espécie.
Desta vez, a mãe – conhecida localmente como “Mãe Dragão” – foi isolada e está sendo alimentada com oxigênio extra para ter uma boa condição. “Isso é muito legal, é bastante extraordinário. Mas também estamos com muito medo de que algo possa dar errado, porque os ovos são muito sensíveis”, disse Primoz Gnezda, um biólogo que trabalha na caverna de Postojna.
O sucesso do evento teria grande importância biológica, pois uma prole saudável ajudaria no entendimento da espécie. O que os biólogos estimam é baseado em uma única colônia de proteus criada em um laboratório subterrâneo nos Pirineus franceses, há mais de 60 anos. “É muito importante porque não há uma grande quantidade de dados sobre a reprodução desse grupo de animais”, disse Dusan Jelic, especialista em proteus da Sociedade Zoológica de Londres, em entrevista à BBC.
[ Foto: Reprodução / Iztok Medja / Postojnska JAMA / Wikipédia ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário