sábado, 7 de abril de 2018

O primo do seu Amigão! OS LOBOS AO LONGO DA TERRA.





Surgidos há aproximadamente 300 mil anos, são dos mais extraordinários e resilientes sobreviventes da era Cenozóica, um dos períodos geológicos da evolução ou das transformações que o planeta Terra teve ao longo da sua existência. Esta era, ficou caracterizada pela grande evolução dos mamíferos. Porém, foi muito mais do que isso; este é um período de crescimento de vida e de multiplicação biológica que nos leva até aquilo que conhecemos hoje em termos de biodiversidade. Tudo leva a crer que os lobos surgem integrados num destes períodos, conhecido como Neógeno; numa época designada por Pleistoceno com diferentes idades de evolução geológicas, geográficas e climáticas a influenciarem a Terra. Todos os estudos antropológicos tendem a revelar que esta espécie faz parte dessa diversidade de processos de evolução de mamíferos surgidos nesta época: na idade do Pleistoceno Superior.






Se nos fundamentarmos nas muitas teorias preconizadas, e não havendo ainda certeza de nada, poderíamos ficar com a ideia que a sua origem poderá estar ligada a algumas evidências registadas na América do Sul, como de fosseis encontrados nas regiões mais frias da América do Norte. Contudo, são muitas as incertezas; o que se sabe com maior fundamentação é que se trata de uma espécie que povoou uma parte significativa do planeta. As espécies hoje existentes abrangem desde a América Central até ao extremo da América do Norte, como uma boa parte da Europa e Ásia, e Norte de África. Classificadas, sabemos que oficialmente temos três grandes espécies com um claro sequenciamento do seu ADN: o Lobo-cinzento, o Lobo-vermelho e o Lobo-Etíope. Todavia, o mais importante e que menos claro está… são todas as suas subespécies existentes e espécies relacionadas, para além daquelas que já se encontram extintas… e é isto que nos leva aos artigos que se irão seguir em próximas publicações, para entendermos melhor a sua dispersão, diversidade e variedades biológicas e a complexa taxonomia deste animal que vem influenciando ao longo dos tempos a sua própria etologia e caracterizações anatómicas definindo as particularidades dos diferentes fenótipos da espécie.



Vamos procurar transcrever as principais referências de cada uma das subespécies destes Lobos, seguindo a sua colocação geográfica, na sua variação continental… tendo sempre em conta a insuficiência de dados que oficialmente são considerados e classificados para estas subespécies, tal como a sua relação semelhante com outras que provavelmente só se definirão umas das outras pelos diferentes sinónimos atribuídos aos seus nomes científicos geridos na convenção do Código Internacional de Nomenclaturas Zoológicas (ICZN – Internacional Code of Zoological Nomenclature).

Nenhum comentário:

Postar um comentário