sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Este é o melhor chocolate do mundo e foi criado com a ajuda da ciência!

CHOCÓLATRAS, E TODOS OS AMANTES DO CHOCOLATE.
Este é o melhor chocolate do mundo e foi criado com a ajuda da ciência!


Todo chocolate é feito por meio dos grãos de cacau. No entanto, o chocolate bean-to-bar é algo mais distinto.
A maioria do chocolate que comemos hoje é feita por grandes empresas que misturam grãos de cacau de baixa qualidade em grandes lotes e, em seguida, adicionam toneladas de açúcar, vanilina (baunilha artificial), manteiga de cacau e emulsionantes como a lecitina de soja para garantir que o sabor e a textura sejam sempre o mesmo. Logo, o gosto de chocolate que normalmente conhecemos é geralmente apenas açúcar e baunilha.



Este tipo de produto é chamado de chocolate industrial e descreve algo de baixo custo e boa consistência – que são os principais objetivos dos fabricantes. O chocolate industrial aparece especialmente nas barras que compramos nos supermercados e, muitas vezes, nas guloseimas que compramos de confeiteiros independentes.

Já o chocolate bean-to-bar, por outro lado, é feito a partir do zero e geralmente por uma única pessoa dentro de um pequeno grupo. Um fabricante deste tipo de produto fornece grãos de cacau inteiros e, em seguida, os assa, amolece e suaviza-os em uma única instalação. Estas pessoas normalmente são engenheiras que criam chocolates a partir de matérias-primas. No entanto, embora “assar, moer e suavizar” pareça algo fácil, na realidade, é um processo matizado, quase impossível e com milhares de variáveis.



Rob Anderson é um geek que gosta de chocolate. Então, ele decidiu criar um produto diferenciado para pessoas interessadas em sua causa.
Para isso, ele mudou o processo de fabricação da guloseima para alterar inteiramente o seu sabor. Através de sua empresa, a Fresco Chocolate, ele conseguiu, com a ajuda da ciência, criar barras completamente únicas que são consideradas por ele como as melhores do mundo, segundo informações da Engadget.
A produção do chocolate, que envolveu o consumidor como parte do processo, foi feita em máquinas que ele próprio construiu. O processo faz parte de um movimento chamado chocolate bean-to-bar artesanal, que está revolucionando a criação do doce, uma vez que o foco está inteiramente no sabor.



Os fabricantes conseguem os grãos de cacau diretamente dos agricultores. Muito do sabor de um bom chocolate vem do que acontece neste nível, da forma como os grãos frescos são fermentados e secos, por exemplo. Assim, os fabricantes muitas vezes trabalham diretamente com agricultores ou intermediários confiáveis ​​para garantir que os produtos obtidos sejam de alta qualidade e que os agricultores sejam pagos de maneira justa pelo seu trabalho – geralmente muito mais do que os preços do comércio regular.



Há ainda uma grande quantidade de tecnologia neste nível da agricultura. Em primeiro lugar, os fabricantes secam e assam os grãos, usando fornos de cozinha convencionais ou até mesmo secadores de roupa, e a temperatura e o tempo não são padronizados. No entanto, a forma como o grão é torrado, a temperatura e o horário afetam enormemente o sabor do chocolate. Logo, este é um dos passos mais importantes no processo de fabricação.
Após o processo de torrefação, cada grão de cacau precisa ser quebrado para revelar uma massa interior, conhecida como nibs. Então, são peneirados de maneira que as cascas não comestíveis sejam separadas.
Estes nibs de cacau então são triturados em minúsculas partículas por meio de uma máquina chamada mélangeur (uma forma de moinho para moer o cacau) e transformados em uma forma de licor (não alcoólico). Nesta fase, é comum que o chocolate fique arenoso, portanto, a ele é adicionado açúcar e outros ingredientes para garantir que todas as partículas de cacau sejam mais do que minúsculas. Alguns fabricantes então utilizam uma máquina chamada conche para misturar e polir o chocolate, eliminando os ácidos voláteis e tornando-o ainda mais suave e próximo do modelo europeu que conhecemos.
Por fim, o chocolate é aquecido e arrefecido até a temperatura ideal para apresentar boa pressão e brilho, em um processo chamado tempero. Depois, o chocolate é disposto em barras e pronto para ser comido.
Ao mudar variáveis ​​como a temperatura de torrefação e o tipo de máquina utilizada, os fabricantes podem moldar as barras e criar diferentes sabores que se adequam à personalidade (e paladar) de cada um. Mas, para fazer esse chocolate do zero você precisa ser um engenheiro, físico ou geek de verdade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário