quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

REPENSE SEU NATAL, AMIZADES FAMÍLIA E JESUS NA CAUSA!



Mateus 2.10,11 e Lucas 2.7


-Introdução: Ao preparar as festividades do fim de ano, pensamos em muitos detalhes. Especialmente a comemoração natalina que reúne amigos e familiares. A decoração, comida e presentes são considerados muito importantes para este momento seja cheio de alegria.
Quando Jesus nasceu, os detalhes também foram pensados pelo Deus Pai Criador, que faz tudo com perfeição. Seria constrangedor fazer uma festa para uma pessoa sem pensar no que ela gosta, correndo o risco de desagradar o próprio homenageado. Por isso podemos aprender alguns fatores indispensáveis para um Natal conforme a vontade de Jesus.



Como é o Natal que Jesus quer?
Vamos refletir sobre três coisas que Jesus quer para o Natal
1) Jesus quer um Natal onde haja luz
Mateus 2.10 “E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo”
As luzes fazem parte da decoração natalina como um elemento essencial. Quando Jesus nasceu, uma grande estrela brilhou no céu (Mateus 2.1-10), conforme foi profetizado (Isaías 9.1,2).
Mas como é a luz que Jesus quer no Natal?
a) o brilho de sua presença em nossas vidas (João 8.12);
b) nosso testemunho de vida para o mundo em trevas (Mateus 5.14);
A beleza do Natal deve ser a presença de Jesus em nossas vidas e o nosso testemunho cristão para o mundo.



A maior luz do Natal é Jesus!
2) Jesus quer um Natal onde haja alimento para os necessitados
Lucas 2.7 “ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria”
A ceia de Natal é um dos momentos mais importantes reunindo as famílias. Mas quando Jesus nasceu, em um curral, não havia tanta fartura, pois não conseguiram lugar nas hospedarias (Lucas 2.7).



Hoje Jesus quer um Natal onde o principal alimento seja:
a) A Palavra de Deus (Mateus 4.4);
b) O pão compartilhado com os necessitados (Mateus 25.35-44);
Jesus é o “Pão da vida” (João 6.35) que nos satisfaz (Romanos 14.17) e nos faz ter comunhão com nosso próximo (I Coríntios 10.16).



A maior festa do Natal é a solidariedade!
3 ) Jesus quer um Natal onde o presente seja o amor
Mateus 2.11 “Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra”
Os presentes são uma característica indispensável nas festas natalinas, através de trocas de lembras e revelação de amigo oculto. Após o nascimento de Jesus, os reis magos levaram presentes para o recém-nascido Rei (Mateus 2.11) como demonstração de carinho e também um sinal da provisão de Deus para seu propósito.
Hoje Jesus quer que nosso presente para Ele seja:
a) O amor a Deus, ao próximo e a si mesmo (Marcos 12.30,31);
b) O perdão daqueles que nos ofenderam (Mateus 6.14,15);
Não podemos pensar apenas em receber ou doar presentes, mas em primeiro lugar em agradar a Jesus (Romanos 12.1,2).
O maior presente do Natal é o amor!
Comemore o Natal para Jesus!



-CONCLUSÃO:
Não podemos comemorar o Natal do jeito que queremos, mas sim do jeito que Jesus quer. Ignorar o aniversariante seria uma grande afronta, perdendo-se o propósito da festa. Portanto, antes de fazer qualquer coisa no Natal, pense o que Jesus gostaria que fosse feito e procure agradar ao Senhor como Ele merece.
Agrade a Jesus neste Natal!

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

SAIBA COMO: Canela de velho, uma planta que é um verdadeiro milagre contra dores nas articulações.



Resultado de imagem para canela de Velho fotos

Canela de velho, uma planta que é um verdadeiro milagre contra dores nas articulações

Características da canela de velho
A canela de velho – de nome científico Miconia albicans – é uma planta da família das Melastomataceae, nativa do nordeste brasileiro.

Conhecida popularmente como uma grande aliada contra a artrose e outros problemas nas juntas e na coluna, essa planta medicinal também requer moderação.



A miconia albicans, conhecida popularmente como canela de velho, é uma das plantas mais associadas a tratamentos naturais contra dores nas articulações. Seu segredo está no combo de fitoquímicos anti-inflamatórios que suas folhas ofertam. Mas o seu consumo requer moderação, pois se trata de um estimulante que afeta os batimentos cardíaco.

De acordo com a nutricionista Vanderli Marchiori, presidente da Associação Paulista de Fitoterapia, mesmo que algumas das substâncias da canela de velho sejam estimulantes, não representam perigo ao coração. “Só que o limite de consumo diário deve ser respeitado”, alerta a especialista.

Atenção às medidas e ao modo de preparo: uma colher (sopa) de folhas secas para um litro de água. Deixe ferver por até cinco minutos e está pronto para o consumo.

Ultrapassar essa quantidade com frequência afetaria principalmente o sistema digestório. Em excesso, os benditos fitoquímicos também podem gerar lesões nas células do fígado, prejudicando seu funcionamento.

Descrição da planta
Nome científico: Miconia albicans

Família: Melastomataceae

Nome popular: Canela de Velho

Partes usadas: Parte aérea da planta (folhas)

Princípio ativo: Flavonóides e compostos triterpênicos (ácido oleanólico e ácido ursólico)

Propriedades medicinais: Anti-inflamatória, analgésica (anti-nociceptivo), antioxidante, antimutagênica, antimicrobiana, antitumoral, hepatoprotetora, tônica digestiva

Resultado de imagem para canela de Velho fotos

Tratamento terapêutico: Artrose, artrite reumatóide, fibromialgia, dores e inflamação das articulações, dores na coluna, bursite, redução de radicais livres, purificação do sangue, reumatismo, tendinite e muito mais

Uso do chá
O uso do chá de canela de velho é eficaz também para tratar dores resultantes de tendinites, torcicolos, bursites e outros processos inflamatórios, especialmente aqueles que são acompanhados de inchaço local.

SAIBA MUITO DO SEU AMIGÃO. ELES CONQUISTARAM SEU LUGAR A DURAS PENAS...



CÃES E CACHORROS.

O cão é hoje o mais popular dos animais domésticos e é quase certo ter sido o primeiro animal a ser domesticado.

Dez milênios atrás, já havia cães domesticados na Ásia, no Egito e na Europa, e possivelmente, até mesmo na América.

Cachorros são animais vivíparos.

Muitas raças de cães, tanto antigas quanto modernas, assemelham-se muito ao lobo, como o Pastor Alemão ou Alsaciano.


Tal fato levou por muito tempo as pessoas a suporem que o cão doméstico teve sua origem do Lobo acima, à esquerda.


Outras raças menos similares ao lobo eram supostamente, descendentes do chacal ou de uma cruza de chacal e lobo.


Contudo, recentes exames de esqueletos de cães, retirados de regiões pré-históricas e estudos profundos do comportamento dos lobos, chacais e outros cães, sugerem que o cão doméstico provém, não do lobo ou do chacal, mas de um tipo completamente diferente de cachorro que há muito tempo tornou-se extinto em seu estado selvagem.


Existem ainda algumas espécies de cachorros que ainda vivem na natureza, como o cão-pescador, por exemplo.



Beagle é uma raça de cães de caça de pequeno a médio porte originária do Reino Unido. Amável Beagle é uma raça de cães de caça de pequeno a médio porte originária do Reino Unido.

Amiga confiável.



Esta é a Luanna... Uma Beagle alegra e comilona!


ESTA é A SOFIE FILHOTA DA BABBY!


Este é Gucci, recém adotado pela Laura.

É um tenista nata...rs

Mais um cãozinho que sai da rua pra fazer a alegria de seus donos.

Bolinhas são sempre boas opções de brinquedo, e seu cão pode brincar com elas até mesmo sozinho.
Veja algumas dicas para a hora de viajar com seu cachorrinho



Banho.

Alguns cãezinhos adoram banho, outros fogem o quanto podem.

Se o seu cachorrinho foge de banho, procure descobrir do que ele tem medo. Talvez a água esteja fria, ou quente, ou ainda o barulho da máquina de tosa. Muitos tem medo do secador...enfim, se descobrir do que ele tem medo poderá encontrar modos de ajudar seu cãozinho a não ter medo de banho.
Converse com o veterinário do seu pet shop, ele pode auxiliar nessa tarefa.
Veterinário
É interessante levar seu cachorro regularmente ao veterinário, para que o cão se acostume com ele e com ser manuseado por pessoas que não sejam da família (principalmente se for um cão anti-social), pois nunca se sabe quando o cachorro vai ficar doente ou precisar ficar em um hotel para cachorros.
Uma dica - seja cliente de uma clínica que tenha veterinário 24hs - seu cachorrinho não marca hora para ficar dodói
Hotel para cachorro
Também é muito importante conhecer os hotéis para cachorros disponíveis próximo à sua casa, ver as acomodações, a higiene, saber se tem veterinário 24hs e se informar sobre eles com quem já hospedou seu bichinho lá. Quando você precisar deixar seu bichinho em um hotel de animais por um motivo urgente, não vai ter tempo de pesquisar, e pode cometer um grave erro deixando seu animalzinho com pessoas inadequadas, isso pode traumatizar seu cachorro seriamente.

Veja mais sobre hotéis para cachorros e dicas de viagem com animais de estimação.



Amigo do homem
O cachorro pré-histórico era selvagem e perigoso.
Mas um dia começou a acompanhar o homem para aproveitar restos de comida.
O homem acabou gostando do companheiro e conseguiu domesticar o cachorro que, desde aí, ficou sendo um grande amigo.
O cachorro aprendeu a caçar com o dono e a dar ao dono tudo que ajudava a caçar.
Depois se habituou a tomar conta da casa do dono.



Crianças e cachorros
Uma parceria que pode ser muito boa para os dois, porém exige acompanhamento de adultos, para manter a segurança e bem estar de ambos.

Quanto mais novos forem os filhotes (de gente ou de cão...rsrs), mais acompanhamento precisam.
É preciso separar os brinquedos, para que o cão não destrua os brinquedos da criança e não engula pedaços dos brinquedos.



Este brinquedinho é o dogzila e os cachorros adoram.



Acessórios para cachorros

Estou reunindo aos poucos, informações e fotos sobre acessórios para cachorros, e logo estarão aqui para inspirar suas compras.

Como esta charmosa "Janelinha de cachorro", para que seu cãozinho possa olhar o movimento da rua.

É da Portobello e pode ser encontrado em algumas lojas de materiais de construção.

Os cães vivem conosco e nada mais justo que tenham acesso ao mesmo conforto que temos, como sofazinhos, caminhas de cachorro, brinquedos feitos especialmente para cachorros e roupinhas de cachorro.

Tudo feito especialmente pra eles. Um brinquedo de criança não serve para um cãozinho, que pode engolir pedaços ou se machucar. Roupas de boneca ou de criança também podem ser muito incômodas paraseu bichinho.

Em todo pet shop você encontra roupinhas feitas especialmente para a anatomia dos cachorros.



Ao lado, uma das imagens de divulgação da Tokyo Dogs Collection, um desfile super fashion para os pets japoneses.

Abaixo, nem tão na moda, mas bem quentinho.




Não está o máximo esse cãozinho ao lado?

Esse loock eu achei na Dogs Department, mas quando eu encontrar algo parecido em um pet shop eu coloco aqui pra vocês saberem.
Quem quiser também pode mandar a foto do seu bichinho, ou do acess´rio que você fabrica, que eu coloco aqui (anamaria.ninha@gmail.com).




Estas coleiras foram desenhadas por um design de bijuterias super conhecido.

Ta pensando o que? Os cachorrinhos estão podendo...rs



Este menino fashion, foi fotografado passeando com seu dono na praia de Copacabana.

Pedimos a foto, o dono do cãozinho não se opôs e o modelo da foto ao lado até fez pose.... não tá uma coisa fofa?






A popularidade de uma raça é, com frequência, ditada pela moda, já que um mestiço constitui-se num amigo tão fiel quanto qualquer cão com pedigri.

Espertíssimo, aprende uma porção de coisas. Amicíssimo do dono, faz tudo por ele. Come o que é possível comer, dorme onde é possível dormir, e não reclama. Merece o nosso carinho e nossos cuidados.


Shar Pei

O Shar Pei é uma raça antiga, originária na China. Os primeiros registos da raça surgem na Dinastia de Han (200 a.C.).
Algumas representações em cerâmica e algumas estátuas desta altura apresentam cães que se acredita serem desta raça.
Pensa-se que o Shar Pei resulta do cruzamento de raças nórdicas com mastins.
Por ter a língua azul como o Chow Chow, acredita-se que este tenha contribuído para dar forma ao Shar Pei.



O Shar Pei trabalhou durante séculos como cão de guarda de propriedades, guarda pessoal, mas também como cão de caça grossa e mais tarde como cão de luta.

A raça manteve-se fiel ao seu tipo durante séculos sendo apurada pela força, inteligência e, evidentemente, as pregas que apresentava no focinho.

O Shar Pei é um cão amável e um pouco introvertido, sendo no entanto um bom amigo das crianças.

Ótimo cão de guarda, suspeita de estranhos.



Ótimo cão de guarda, suspeita de estranhos. O Shar Pei é um cão reservado e independente, mas é bastante leal e protector.

Brincalhões, são boas companhias para crianças. Dominantes, gostam de ser o único cão da casa e aceitam melhor a presença de gatos do que de cães.

O Shar Pei é um cão um pouco teimoso e nem sempre obedece aos comandos do dono.

O Shar Pei é um cão de porte médio, com 44 a 51 cm de altura.

De corpo compacto e ágil, o Shar Pei possui uma forma quadrada, sendo a altura igual ao comprimento.






Quando vai deitar-se, o cão faz uns giros no lugar.
É o hábito selvagem de assentar a relva, antes de deitar.
Existem cachorros treinados especialmente para caçadas. Sabem encontrar a presa: saem cheirando o chão, por onde o animal perseguido passou, ou vão sentindo o cheiro que o vento traz. Alguns apanham com os dentes o animal morto e entregam ao caçador.
Outros agarram e matam a presa na corrida. Todos procuram os bichos que o dono ensinou a procurar e não chegam junto de cobras, gambás, etc.


Chow Chow

O Chow Chow é um cão de porte médio, cuja altura nas espádua varia nos machos entre os 48 e os 56 cm e nas fêmeas entre os 46 e os 51 cm. O seu peso oscila entre os 20 e os 32 Kg.

A sua pelagem é de tamanho longo e apresenta-se muito abundante e densa, formando um colar acentuado em torno do pescoço e cabeça. As cores permitidas são o vermelho, preto, azul, gamo e creme. Na face posterior das coxas e na cauda a cor é, normalmente, mais clara.

A cabeça é larga e achatada e o chanfro pouco saliente. O focinho é largo mas de comprimento moderado e o nariz apresenta-se largo em toda a sua extensão. A língua é preta, característica que partilha com alguns ursos pequenos. Os olhos amendoado são escuros e bem delineados e as orelhas cobertas de pêlo são pequenas, arredondadas nas pontas, trazidas erectas. O pescoço é comprido e bem arqueado, mergulhando num peito volumoso e largo.

O seu corpo é compacto e a sua presença imponente e segura. O dorso é curto e nivelado e as costelas são ligeiramente arqueadas. Os membros são musculados e dotados com uma forte estrutura óssea. Os pés de gato são arredondados e a cauda de inserção alta é mantida enrolada sobre o dorso.



O cão é o mais antigo dos animais domésticos; já vivia em companhia do homem há pelo menos uns 10000 anos atrás.

E, nesses cem séculos de convívio, o homem aprendeu muito sobre os cães.

Por essa razão, alguns criadores responsáveis recusam-se a vender cães de raça a pessoas que não lhes possam dar ambiente apropriado.



Quando, nas guerras de antigamente, os homens lutavam de espada (corpo a corpo), o cachorro defendia seu dono. Na guerra de hoje, faz de sentinela, ajuda os médicos e enfermeiros a encontrar os feridos, leva e traz cartas, descobre minas (bombas escondidas, que explodem quando alguém ou alguma coisa passa por cima delas com força).

Depois da primeira guerra mundial, os homens começaram a treinar cachorros para guiar soldados que tinham perdido a vista na luta. E cachorro aprendeu a atravessar ruas, respeitando o sinal; a desviar a cabeça do dono de postes, galhos, tabuletas; a obedecer à voz do dono, mesmo quando não está com vontade; a reconhecer palavras importantes, como açougue, farmácia, casa; a saber onde é o lado direito e onde é o lado esquerdo, etc.
Há muito tempo já, a polícia usa cachorros para prender criminosos. E, em alguns lugares, o cachorro chega a pescar para o homem.

Cachorro ouve os barulhos e sente os cheiros melhor do que nós. Mas nós vemos uma porção de cores e ele vê tudo preto, branco e cinza.



Cachorro também sabe defender rebanhos.
Antigamente, lutava contra os lobos. Com o tempo, os lobos foram diminuindo e o cachorro virou pastor, guia de rebanho.
Fica de um lado para o outro ou vai atrás das ovelhas, prestando atenção a tudo. Se por acaso uma ovelha se desgarra ou dá um jeito de fugir, o cão pastor late e corre atrás dela.

Às vezes morde as pernas dela, sem machucar a pele.

Não sossega enquanto não traz a ovelha de volta.

Os cachorros-de-trenó (Groenlândia, Alasca e alguns lugares da Europa) puxam trenós e carrinhos cheios de coisas.

Usam até umas espécies de selas de couro, que nem cavalo de charrete. São muito peludos.

As pestanas compridas protegem os olhos da neve e do vento.



Do enorme São Bernardo até o minúsculo Chihuahua Mexicano existem no mínimo uma centena de raças diferentes.

Muitos deles foram domesticados pelo homem para uma tarefa em particular. Por exemplo, os Fox Terriers eram cães resistentes usados para atrair as raposas que tinham se escondido nas tocas.

O Terrier Yorkshire, a menor raça da Inglaterra, é outro pequeno e forte cão de terra.

O Setter Irlandês é uma raça muito antiga usada para a caça.

O cão montanhês Entelbuch é utilizado como animal de tração das fazendas da Suíça.



Com os seus cinco dedos nas patas da frente e seus quatro ou cinco dedos nas patas de trás, os cachorros andam nas pontas dos pés.

As unhas são rombudas e gastas, porque roçam em tudo: não podem se esconder, como as unhas dos gatos.

Você já reparou que os cachorros, quando correm ou brincam, descansam depois de boca aberta? Você já reparou quantas vezes por dia os cachorros ficam assim, de boca aberta e língua de fora?

Cachorro não tem glândulas de suor. Em vez de suar pela pele, ele sua pela boca.



Komodor

A história desta raça esteve desde sempre ligada ao pastoreio das ovelhas.

O Komondor é, aliás, considerado o Rei dos cães pastores, já que possui características únicas como cão de guarda.

É um cão grande, autoritário e independente, capaz de aguentar climas adversos.

O Komondor é um cão com um porte admirável, por alguns considerado intimidante: a altura na cernelha pode atingir, nos machos, os 63,5 cm e, nas fêmeas, os 58,5 cm; pesa entre 36,3 a 68 Kg.



A sua pelagem branca é uma característica única neste espécie, já que todo o corpo está coberto por uma manta encordoada de pêlo denso e, normalmente, pouco brilhante.

O seu comprimento varia entre os 15 a 27 cm e normalmente o subpêlo é macio, em contraste com a camada externa de pêlo.



É dotado de uma cabeça curta em relação à largura e de um chanfro bem definido.

Os olhos amendoados são castanhos escuros e as orelhas, de tamanho médio, estão sempre pendentes e não reagem às diferentes situações.

Possui um peito largo, que adivinha uma construção robusta e uma ossatura imponente.

É um cão com bastante força e com uma bonita postura, proporcionada em parte pelo nivelamento do seu dorso.


Dálmata

O Dálmata tem uma pelagem única, que não existe em mais alguma raça de cães, responsável pela sua popularidade e fácil identificação.

As origens deste cão são incertas. As primeiras notícias históricas sobre a raça surgem em várias partes do mundo: Europa, África e Ásia.

No Egito, baixos-relevos mostram um cão semelhante ao Dálmata.

Na Grécia, frescos representam cães com esta pelagem.

Na Ásia contam que estes cães acompanhavam o povo Rom (ciganos), que têm as suas raízes na Ásia, mas que acabaram por se espalhar pela Europa e eram frequentemente encontrados na actual região da Croácia.





O Dálmata é normalmente bastante alegre, sempre pronto para brincadeiras e longas caminhadas.

Criados em alguns lugares para acompanhar cavalos, os Dálmatas são cães velozes e resistentes.

Em um ritmo moderado conseguem correr um dia inteiro. Por isso, o Dálmata é bastante exigente quando o assunto é exercício diário.

De porte médio, os machos têm entre 56 e 61 cm e pesam entre 27 e 32 kg.

As fêmeas são mais baixas, entre 54 a 59 cm, pensando menos, 24 a 29 kg.



Conforme a raça, cada cão obedece a um padrão mais ou menos regular de comportamento.

Numa mesma raça, porém, ocorrem variações amplas de "temperamento".



Basset Hound

O Basset Hound é um cão de caça de linhagem antiga com um ar melancólico, mas uma personalidade viva.

O Basset foi descrito por Shakespeare numa imagem poética: "Possui orelhas que varrem o orvalho da manhã".

A palavras francesa “Basset” deriva de “bas”, que significa “baixo”. Na altura, todos os cães de caça patas curtas eram apelidados de Basset.

Pensa-se que este pequeno cão seja descendente do Bloodhound. Os frades franceses da Abadia de St. Humberto, responsáveis pela criação do Bloodhound, Cão de St. Humberto, pretendiam criar um cão semelhante ao Bloodhound, mas mais pequeno e lento para que pudesse ser seguido a pé numa caçada.

Depois da Revolução Francesa, começam a surgir registos deste tipo de cães. Eram sobretudo usados na caça à raposa e faisão, mas sobretudo na caça à lebre.

A baixa estatura deste tipo de cães facilitava-lhes o acesso às tocas dos animais. O papel destes cães era perseguir a presa e não matá-la. Devido ao olfacto extremamente desenvolvido, os bassets tornaram-se bastante procurados na França.

O olhar melancólico, doce e triste do Basset Hound esconde um carácter alegre, brincalhão e extremamente amável.

Excelente companheiro, o Basset Hound é muito fiel ao dono e muito carinhoso com todas as pessoas. Não gostam de ser deixados sozinhos e desenvolvem comportamentos destrutivos se deixados fechados durante longas horas.

O Basset Hound dá-se bem com outros animais, cães e gatos. É uma boa escolha para cão de família, visto que se dá com crianças.

São cães de caça e não de guarda e por isso recebem os estranhos com alegria. São bons cães de alerta, ladrando com uma voz profunda quando pressente perigo.

O Basset Hound vive bem em apartamentos, desde que exercitado o suficiente. Pode viver tanto no interior como no exterior. É necessário especial cuidado na vedação de jardins, uma que o Basset Hound pode escapar e perder-se. Esta raça gosta de seguir pistas olfactivas e frequentemente é levado por elas para longe de casa.



Os cachorrinhos geralmente mamam na teta que encontrarem primeiro. A teta (ou mama) é um lóbulo de tecido elástico. Ele se adapta perfeitamente à boca do bebê, que assim não perde nem uma gota. A teta também funciona como válvula para evitar vazamento do leite.





Filhotinhos
Cachorro recém-nascido leva umas três semanas para andar.
Mama até um mês, mais ou menos. Aí pode começar a comer quatro vezes por dia. De uns quatro a uns oito meses, basta comer três vezes por dia.

De oito a quinze meses: duas vezes por dia.

Depois disso, é bom só almoçar e de noite comer biscoitos especiais para cachorro.



Nos cães ainda perdura o hábito de canídeos selvagens: o cheiro da urina assinala seu território.



Cachorrinho enfermeiro

Animais de estimação também são usados para ajudar pacientes com choques emocionais, particularmente crianças, que são resistentes à abordagem através da psicoterapia.

O efeito calmante de acariciar um animal de estimação ou de conversar carinhosamente com ele parece diminuir a pressão do sangue e reduzir os níveis de stress na maioria dos seus donos.

Até mesmo a visão de um aquário cheio de peixes pode ser calmante. Pacientes à espera de cirurgia numa escola de odontologia onde havia um aquário mostraram-se mais relaxados antes da cirurgia que os de um outro grupo controlado que não observaram peixes enquanto esperavam.

Os cientistas não sabem exatamente como o corpo é afetado, mas acham que os sentimentos de amor e aceitação incondicional que as pessoas têm para com seus animais de estimação, ou animais como os golfinhos, desencadeiam a produção de interferon — uma proteína que alimenta o sistema imunológico.

Também é verdade que o estado de intensa felicidade estimula o corpo a produzir substâncias analgésicas conhecidas como endorfinas, que afetam todo o organismo. Um estudo de pacientes que tiveram problemas coronarianos sérios mostrou que, um ano após a alta do hospital, aqueles que tinham animais de estimação atingiram uma taxa de sobrevivência muito mais alta que aqueles que não tinham.

A terapia com animais de estimação está sendo utilizada cada vez mais no tratamento de pessoas mentalmente perturbadas.


Dachshund

Dachshund ou Teckel, como lhe chamam os ingleses. No Brasil Baixote ou Salsicha, devido ao comprimento do corpo e cor da pelagem.

Em alemão, o nome da raça significa literalmente, “cão texugo”, devido ao papel que desempenhava na caça.

Nesta altura havia já dois tipos de Dachshund: um mais alto, utilizado na caça a texugos e outro mais baixo, utilizado na caça a coelhos.
Mas estudos mais recentes atiram o nascimento da raça para tempos mais longínquos. Pinturas da altura do Antigo Egipto representam já cães de pernas curtas e corpo longo. Foi mesmo encontrada a múmia de um destes cães que se assemelha bastante ao Dachshund. Partes de um esqueleto de um cão semelhante ao salsicha foram recuperadas entre os destroços de um navio naufragado, ao largo da Itália, que data do século I a.C.

Até a Rainha Vitória de Inglaterra teve um.

A vivacidade e aspecto único do salsicha deram popularidade mundial.

Na Alemanha este cão ainda é utilizado na caça, para desalojar as lebres, as raposas e os texugos das suas tocas. Nos outros países, tornou-se um cão caseiro muito na moda, principalmente na França e nos Estados Unidos. É um companheiro inteligente, vivo e muito agradável.

A sua voz é surpreendentemente alta para um cão do seu tamanho.

Teimoso, não é fácil treiná-lo. Afectuosos e protectores, geralmente tornam-se mais próximos de uma pessoa na família e podem desenvolver ciúmes em relação a crianças, outros animais ou pessoas. São bons cães de alerta, ladrando a estranhos.

Existem muitas raças diferentes de cachorros domésticos, desde os pequenininhos (menos de um quilo de peso) até os grandes (uns noventa quilos de peso).

O cão rasteiro (basset) é um dos mais baixos. Amigo de morder, mas carinhoso, inteligente e alegre, é campeão na caça de animais que moram em buracos e túneis. Na Europa, caça otimamente coelhos e texugos.

Aqui no Brasil existe um rasteiro que ganhou o apelido de paqueiro, porque é grande caçador de pacas e outros bichos que vivem em toca. Outro nome que dão ao rasteiro é jaguapeba, que, em língua de índio, quer dizer cão chato, baixinho, rente ao chão.



Fila brasileiro

Dentro de casa, ele é obediente, bom, cheio de paciência e muito querido. Gosta de crianças e é um ótimo companheiro. Dá sempre um jeito de estar perto das pessoas amigas e, meia-volta, enfia a cabeça entre as mãos do dono. Com as pessoas desconhecidas é que ele não é nada amável.

Um dos melhores cães de guarda que existem, o fila enfrenta qualquer perigo para defender a casa e quem mora nela. Também ajuda muito nas fazendas, onde trabalha como pastor.

É grande, mais comprido que alto, e tem um andar parecido com o dos gatos.

Outros nomes do fila: cabeçudo, boiadeiro-cabeçudo, Onceiro.



Poodle

O coniche (ou poodle) aparece muito no circo, onde faz uma porção de gracinhas.


Aprende as coisas depressa e não esquece o que aprendeu.


É um bom guia de cegos e um bom caçador. Tem bom gênio.


Não serve é para guardar a casa: é muito capaz de acabar amigo do ladrão.



Buldogue

O buldogue se parece muito com o boxer. Apesar da cara de poucos amigos, é simpático, bom companheiro e gosta de crianças.
Guarda otimamente o casa, mas não é brigão.



Em breve muita coisa nova, aguarde

Você poderá gostar também de: gatinhos, passarinhos, peixes, canários,macacos




Lamentando a morte de amigos e parentes
Bobby, um terrier Skie, tinha como dono John Gray, um pastor escocês.

Quando John morreu em 1858, em uma das suas viagens semanais a Edimburgo, foi enterrado na igreja de Greyfrairs e seu pequeno cão foi mandado de volta para a fazenda, nos montes Pentland.

Entretanto, o cão voltou sozinho a Edimburgo e apareceu ao lado do túmulo de seu dono um dia após o funeral. Abastecido com comida e água diariamente por curiosos e habitantes locais, Bobby ficou ao lado do túmulo por quatorze anos, até morrer em 1872.

Na ocasião, a fama do cão era tão grande que a Rainha Vitória sugeriu que ele deveria ser enterrado ao lado de John Gray no pátio da igreja de Greyfriars.

Hoje, uma estátua comemorativa de Bobby se encontra na esquina próxima a igreja de Greyfriars. Acredita-se que cães fiquem de luto pela morte de seus donos, mas não se sabe se a história de Bobby sugere uma verdadeira compreensão da morte, ou apenas a tristeza da separação de uma situação familiar.



Os cachorros também "sorriem" quando pedem para brincar.

Embora seus dentes possam ser vistos, é através de uma ligeira levantada do lábio superior — um efeito bem diferente de um arreganho dos dentes, em que os lábios são puxados para trás, como que para mostrar o tamanho do canino.

O sorriso de brincadeira á acompanhado de uma reverência — o cachorro abaixa as pernas da frente e levanta o traseiro, abanando o rabo.






Filhotinhos brincam

O cachorrinho marrom morde e rói a argola como se fosse um osso, testando os dentes e fortalecendo os músculos da boca.



Surge um cachorrinho preto e branco que quer entrar na brincadeira. Os dois agarram a argola e puxam com vontade. Esse tipo de atitude é observada quando os animais de um bando cooperam entre si para carregar uma presa grande e também quando dois animais disputam um mesmo pedaço de comida.

A batalha continua até que o cãozinho maior, o marrom, consegue arrancar a argola do menor. Mas logo ele se cansa da argola e passa a morder o rabo do outro. Não se trata de briga, mas a mordida é uma demonstração de força.




Os cachorrinhos agora brincam ruidosamente, rosnando e se mordendo numa barulhenta "luta de mentira". De repente o cãozinho preto e branco morde com força. O cãozinho marrom se irrita e a brincadeira se transforma em luta de verdade. Os focinhos se contraem, eles mostram os dentes, um encara o outro. O marrom sobe em cima do outro para mostrar que é mais forte. O preto e branco se submete.

Cães, lobos, chacais são na essência animais de vida em grupo. Quando brincam juntos desenvolvem muitos dos sinais sociais que usarão quando adultos para manter a hierarquia do grupo.



Livros indicados

DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS ANIMAIS

TODOS OS ANIMAIS SAO NOSSOS IRMAOS

OS ANIMAIS TEM ALMA?

O Sr. Milton Cruz mandou estas fotos de caminhas que fez para seu cãozinho. Quem quiser encomendar, os dados estão nas fotos.



Cãezinhos para adoção em ongs do Rio de Janeiro









by Ana Maria