quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

APROXIMANDO A CURA DA AIDS, CIENTISTAS CONSEGUEM MEIO DE ERRADICAR TODOS OS VIRUS...

Resultado de imagem para ALEGRIA DA CURA DA AIDS FOTOS

A terapia antirretroviral já ajudou milhões de pessoas a sobreviver ao HIV. Infelizmente, o vírus ainda tem um mecanismo de sobrevivência embutido: ele cria reservatórios latentes de vírus inativos que são invisíveis à terapia antirretroviral e ao sistema imune.
Mas agora os pesquisadores da UC Davis identificaram um composto capaz de ativar o HIV latente, oferecendo a tentadora possibilidade do vírus ser expelido de seu reservatório silencioso e, assim, levando à cura. Melhor ainda, o composto, chamado de PEP005, já está aprovado pelo FDA. O estudo foi publicado pela PLoS Pathogens.
“Esta molécula tem grande potencial de avançar para estudos clínicos.”




“Estamos animados por ter encontrado um excelente candidato para a reativação e erradicação do HIV que já está aprovado para uso em pacientes”, disse a autora do estudo, Satya Dandekar, que preside o Departamento de Microbiologia Médica e Imunologia. “Esta molécula tem grande potencial de avançar para pesquisa translacional e estudos clínicos.”
Resultado de imagem para ALEGRIA DA CURA DA AIDS FOTOS

Satya Dandekar
Satya Dandekar
Embora a terapia antirretroviral tenha sido bem sucedida — reduzindo a infecção pelo HIV em recém nascidos, restaurando o sistema imune dos pacientes e reduzindo a carga viral para níveis virtualmente indetectáveis –, ela não é capaz de sozinha curar a doença. Se o tratamento é descontinuado, os reservatórios de vírus latente são reativados e a infecção retorna à galope. Como resultado, os pacientes precisam aderir ao tratamento para sempre, colocando-os em risco de sofrer com toxicidade a longo prazo.
“Erradicar o HIV é fundamental.”
“Nós avançamos muito, mas ainda temos 30 milhões de pessoas contaminadas pelo HIV”, disse Dandekar. “Sem os medicamentos, o vírus pode voltar com o mesmo níveis de ameaça aos pacientes. Erradicar o HIV é fundamental.”
Resultado de imagem para ALEGRIA DA CURA DA AIDS FOTOS

Erradicar quer dizer reativar o vírus latente e então destruí-lo — uma estratégia chamada de “chutar e matar”. Cientistas do mundo todo têm trabalhado nessa abordagem, mas encontrar o composto ideal tem sido desafiador. A molécula ideal precisa ter como alvo as proteínas associadas à latência do HIV sem superestimular o sistema imune ou ativar outras proteínas, como NF-kappaB, desenfreadamente. Resultados assim poderiam ocasionar efeitos colaterais severos.
O time de cientistas da UC David pode ter sido bem sido sucedido com o PEP005, o princípio ativo de uma droga já aprovada pelo FDA para tratar câncer, chamada PICATO, a qual aumentou a ativação do HIV em amostras de sangue de pacientes e mostrou baixa toxicidade.
HIV-Electron-micrograph-392
Estrutura tridimensional da superfície da célula com partículas de HIV sendo liberadas através da membrana plasmática. (Cortesia da Holland Cheng Lab, © UC Regents)
Entretanto, o HIV é um vírus complicado e, tal como os médicos descobriram com a terapia antirretroviral, deve ser atacado de múltiplas formas. Além da PEP005, os cientistas testaram outros compostos capazes de reativar o HIV através de diferentes caminhos. Esse processo meticuloso levou à molécula JQ1, que age sinergicamente com a PEP005, maximizando a ativação do HIV. Quando combinada com a PEP005, a JQ1 aumenta a ativação do vírus em até 15 vezes.
“Observamos uma ativação viral ainda mais intensa.”



“Um tratamento único não é suficiente e, por isso, estamos tentando atingir o HIV através de diferentes caminhos”, explicou Guochun Jiang, a primeira autora do estudo. “Como resultado, observamos uma ativação viral ainda mais intensa.”
Embora esses resultados sejam promissores, os cientistas têm consciência que eles só funcionam se o “chute” for seguido de “matar”. “Primeiro, precisamos identificar a melhor combinação de agentes ativadores de latência”, disse Dandekar. “Depois, precisamos ajudar os pacientes a limpar essas células reativadas. Só reativar o HIV da latência não será suficiente.”
Resultado de imagem para ALEGRIA DA CURA DA AIDS FOTOS

Dandekar lembra que muitos pacientes com HIV que fazem uso da terapia antirretroviral possuem respostas imunes robustas, as quais levarão um bom tempo até limpar o vírus. Ela acredita que as vacinas contra o HIV que estão em desenvolvimento trazem uma vantagem adicional: mesmo que uma vacina não seja 100% eficaz em prevenir a transmissão, ela pode aumentar a habilidade do paciente de destruir o vírus reativado.
Identificar a PEP005 e JQ1 como potentes ativadores do HIV é um passo fundamental nessa direção. “É muito animador que a molécula do PICATO já esteja aprovada e sendo usada em pacientes”, disse Dandekar. “Além de ser muito eficiente em reativar o HIV, ela também funciona maravilhosamente bem com outros agentes de reativação de latência, é menos citotóxica e não induz a uma resposta imune excessiva.”
Imagem relacionada

Nenhum comentário:

Postar um comentário