sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Sistema Solar pode ter um novo planeta...

Uma representação artística do "novo" planeta (Foto: CalTech / Divulgação )
Não é de hoje que astrônomos profissionais e amadores têm a suspeita de que existe um nono planeta em nosso Sistema Solar, muito além de Plutão. Boa parte dessa desconfiança vem da busca por explicações de anomalias nas órbitas de objetos próximos ao Cinturão de Kuiper, uma área misteriosa que se estende a partir da órbita de Netuno.
Em 2014, os estudiosos Scott Sheppard e Chad Trujillo escreveram um artigo sobre pequenos objetos com uma estranha discrepância em suas órbitas, que podem ser causadas por diversos fatores. Alguns estudiosos sugeriram, na ocasião, que a discrepância se dava por conta de "berçários estelares" próximos ao nosso Sistema Solar, ou algum outro objeto que saiu da órbita de sua estrela e tentou alcançar a nossa – mas, desde então, já se discutia que a causa mais possívei seria mesmo um novo planeta, desconhecido para nós, que mantivesse todas as estranhas órbitas atreladas à dele

Agora, um time do Instituto de Tecnologia da Califórnia, o Caltech, parece realmente ter encontrado evidências de um planeta gigante e gélido orbitando nosso Sol a uma distância inimaginável até então. O artigo, que foi publicado por Konstantin Batygin and Mike Brown (um dos responsáveis por rebaixar Plutão a um planeta-anão em 2006), descreve esse novo mundo como sendo de cinco a dez vezes mais massivo que a Terra e de duas a quatro vezes mais largo. Essas proporções não são conhecidas em nenhum outro mundo, tornando-o o quinto maior planeta do Sistema Solar, próximo a Urano em termos de massa. 
A existência de possíveis planetas próximos ao Cinturão não é exatamente uma novidade: até Plutão já havia sido considerado um "planeta novo" até sua descoberta, em 1930, e relegado ao título de planeta-anão muitos anos depois. Há também Makemake e Haumea, dois planetas-anões que ficam no Cinturão, e há também Eris, que é mais massivo que Plutão e orbita a Terra de uma longa distância. Mas todos esses exemplos contêm menos massa que o "nono planeta". 
A órbita do novo planeta é imensa, nunca chegando mais perto do Sol do que 30,5 bilhões de quilômetros, que representa cinco vezes a distância da órbita média de Plutão. Em tese, esse planeta seria extremamente frio e escuro, o que justifica que nunca tenhamos tirado uma foto dele. A existência dele é tão controversa que os estudiosos do Caltech iniciaram sua pesquisa para provar que ele realmente não existia – mas após anos de estudos, Brown e Batygin realmente perceberam que o modelo das órbitas discrepantes que estudavam só seria possível se o "nono planeta" realmente existisse. 
Para explicar como as órbitas se movimentam, Brown as comparou com um relógio. "É como se você tivesse seis ponteiros de relógios se movimentando em diferentes velocidades e, quando você olha para elas, estão todas no mesmo lugar", explicou. "Basicamente, isso não acontece de forma aleatória". 
E por que não percebemos antes? O próprio Brown explica: "nesse caso, estávamos com os rostos tão colados nos númeos e dados que nunca parávamos para dar um passo para trás e encarar o Sistema Solar de fora. Eu não acreditei que nunca tinha notado isso. É ridículo", contou ele à Scientific American
Contudo, os estudos de Brown e Batygin não são definitivos – e ainda não comprovam a existência do planeta, que tem 60% de chance de ser real. Além dessa possibilidade, existia a chance de ser um objeto formado recentemente no Cinturão, uma compressão de cometas e pedras espaciais que se juntaram de alguma forma. Logo perceberam que isso realmente parece impossível, porque o Cinturão não contém massa suficiente. Já um planeta cinco vezes mais massivo que a Terra, que se formou junto com o Sistema Solar, se encaixa perfeitamente no modelo – e explica outros estranhos fenômenos descobertos no Cinturão recentemente. 

A solução ideal, de fato, seria tirar uma foto do planeta e acabar com o a dúvida. Como é muito distante, os pesquisadores acreditam que alguns instrumentos potentes, como o telescópio japonês da Subaru, localizado hoje no Havaí, possa ser ideal para tirar a fotografia, quando o planeta estiver mais próximo do Sol – o que, bem, pode levar cerca de dez mil anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário