sábado, 7 de novembro de 2015

Razão de muitas enfermidades, inclusive o 'CANCER"; AMARGURAS, ÓDIOS, FRUSTRAÇÕES....SABER PERDOAR! A trajetória de José: O que José pode nos ensinar sobre PERDÃO?

A trajetória de José: O que José pode nos ensinar sobre PERDÃO?

JESUS O BOM PASTOR...   



José foi o décimo primeiro filho de Jacó. Por ser o filho de sua velhice Jacó amava muito a José, muito mais do que amava seus outros filhos, Jacó dá a José uma túnica de várias cores, essa relação de favoritismo despertou sentimentos ruins de ciúmes, ódio e inveja nos irmãos de José. Certa feita José teve um sonho: sonhou que ele e seus irmãos estavam no campo amarrando feixes de trigo, em um determinado momento do sonho o feixe de trigo de...




A trajetória de José: O que José pode nos ensinar sobre PERDÃO?



José foi o décimo primeiro filho de Jacó. Por ser o filho de sua velhice Jacó amava muito a José, muito mais do que amava seus outros filhos, Jacó dá a José uma túnica de várias cores, essa relação de favoritismo despertou sentimentos ruins de ciúmes, ódio e inveja nos irmãos de José.
Certa feita José teve um sonho: sonhou que ele e seus irmãos estavam no campo amarrando feixes de trigo, em um determinado momento do sonho o feixe de trigo de José se levantava, enquanto os de seus irmãos se ajuntavam e se inclinavam diante do dele. Este sonho deixou seus com ainda mais raiva, passaram a odiá-lo ainda mais (Gênesis 37:7). Mais tarde outro sonho viria, José na sua aparente imaturidade resolve contar o novo sonho aos irmãos: e disse: Eis que tive ainda outro sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam a mim (Gênesis 37:9). Se já o invejavam, com esse segundo sonho seus irmãos passam a invejá-lo ainda mais.


Acredito que mesmo que em partes muitos conhecem a história de José. Certa feita Jacó envia José para ter notícias de seus irmãos e do rebanho, a fim de deixa-lo a par do que se passava. José parte, pretendendo encontrar seus irmãos em Siquém, porém estes não estavam lá, ele acaba por se perder no campo, e após receber a ajuda de um homem acha o caminho para onde seus irmãos seguiram com o rebanho. 

Ao chegar em Dotã, lugar para onde seus irmãos se dirigiram, estes o avistam ao longe e com o coração repleto de uma combinação perigosa de ciúmes, ódio e inveja planejam mata-lo. Neste ponto Rubén intervém e propõe aos seus irmãos que ao invés de tirarem a vida de José que o jogassem em um poço, Rubén pretendia tirá-lo quando a ira de seus irmãos passasse. Os irmãos de José tiram-lhe a túnica e o jogam no poço. Mais tarde José é vendido por seus irmãos a mercadores Ismaelitas, sendo depois revendido ao egípcio Potifar, oficial de faraó.



Desde o começo da história de José podemos identificar diversas virtudes como o comprometimento ao cumprir com esforço as tarefas designadas por seu pai. Uma vez vendido com escravo no Egito José não abandona seus valores, mantendo-se fiel ao Deus de seu pai, mantendo a integridade em cada atitude, e o Senhor era com José e prosperava em suas mãos. Por sua integridade e fidelidade a Deus, José recusa os assédios da mulher de Potifar, por não conseguir seduzir José ela o acusa. José vai parar na prisão, inocente.


E Deus era com José, estando na prisão o carcereiro o achou digno de confiança e o colocou a seu serviço sobre todos os outros presos.  Dois anos se passam. Deus continua a abençoar José, a ponto de após interpretar os sonhos do faraó ser levantado como governador do Egito, sendo a segunda autoridade mais importante do Egito, depois do faraó.
Os sonhos de faraó significavam que haveriam sete anos de extrema fartura, seguidos por sete extrema fome na terra do Egito. Como governador sabiamente José administrou as estocagens de cereais, quando chegou a fome havia comida no Egito.
Durante a história de José podemos tirar várias lições valiosas como: honestidade e caráter de um servo de Deus, a fidelidade ao fugir do pecado e das tentações, entre outras importantes lições. Porém vamos nos ater a uma: a capacidade de perdoar alguém que nos causou sofrimento.
José tinha tudo para guardar ressentimentos de seus irmãos, ele não precisaria estar passando por aquilo, não fosse o ódio e inveja de seus irmãos ele estaria em casa, perto de seu pai. Porém ele escolheu não odiar. A Bíblia não fala, porém imagino que um trauma tão grande como esse de ser vendido pelos próprios irmãos não tenha sido fácil, afinal de contas José estava sujeito ao abatimento emocional por conta dos traumas que sofrera em sua juventude, mas o interessante é que ele não deixou que surgisse em seu coração ressentimento algum de seus irmãos. Quando seus vieram ao Egito para comprar comida ele até os testou, como forma de ver o arrependimento de seus irmãos, mas não como forma de puni-los por tê-lo vendido.



José se revela a eles e diz: “...agora, pois, não vos entristeçais, nem vos irriteis contra vós mesmos por me haverdes vendido para aqui...” Ele entendeu que as pessoas erram, e às vezes algumas são incapazes de nos pedir perdão, porém, mesmo assim precisamos perdoá-las. É algo realmente difícil: perdoar quem nunca foi capaz de nos pedir perdão.
O perdão é em si algo muitas vezes difícil, mas necessário. Outras vezes o orgulho, faz com que o perdão seja algo ainda mais complicado. Pare para refletir o perdão em todas as circunstâncias traz mais benefícios para nós, perdoar é permitir que a paz de não haver mais qualquer ressentimento entre no coração, é entender que por mais que alguém tenha errado conosco, o rancor, o ódio e o ressentimento só trará prejuízos para nossas vidas.
Pense, por mais que alguém possa ter nos magoado, a vida dessa pessoa segue em frente, enquanto a nossa se guardamos mágoa parece estacionar no tempo, imersa num rio de ódio e amargura, enquanto definhamos dia após dia. Devemos entender que o perdão é da vontade de Deus.



 "Então, Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete" (Mateus 18.21-22)

Ao responder a Pedro, Jesus ensinou uma importante lição de que deveríamos perdoar muito além do que achamos necessário. Além do mais qual maior exemplo de perdão a pessoas que não mereciam do que se entregar para morrer numa cruz em favor de pessoas que muito errou contra seu criador? Foi isso que Jesus fez, morreu por pessoas que não mereciam.
Em Colossenses encontramos o seguinte ensinamento: "... perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós" (Colossenses 3.13).
Fiquem com Deus. Repense sobre seu conceito de perdão, lembre-se: é difícil, mas a vontade de Deus é que perdoemos a quem nos ofendeu, a quem nos magoou, mesmo que esse alguém não seja capaz de nos pedir perdão.  


PERDÃO É CURA, É PAZ, É ALÍVIO PARA A ALMA!








Nenhum comentário:

Postar um comentário