terça-feira, 11 de setembro de 2012

“QUANDO QUE UM MILAGRE CAUSA O EFEITO DESEJADO?”


Colaboração do meu amigo e Pastor...
  • “QUANDO QUE UM MILAGRE CAUSA O EFEITO DESEJADO?”

    Mateus 11: 20-23

    O ministério de Cristo foi pautado por duas necessidades básicas da geração de seus dias e permanecem até hoje. Ele iniciou sua jornada terrena ENSINANDO ao povo as verdades do Reino de Deus e operando toda sorte de CURAS e MILAGRES entre eles. Mat. 3: 14-17, 23-24.




    A expectativa das profecias messiânicas que havia sobre Ele, indicava que estes dois aspectos de Sua obra seria extremamente importante. Isto por causa das condições precárias das pessoas viviam. Is. 61: 1-3. Naqueles dias o povo era atingido por várias doenças epidêmicas e as condições de saúde eram horríveis fazendo com que vivessem muito pouco tempo.

    Na Palestina do século I reinava um verdadeiro clima de terror. O escritor Richard L. Rohrbaugh, na introdução de um volume sobre “As Ciências Sociais e a Interpretação do Novo Testamento”, trata sobre a expectativa de vida da população neste período da história: “Cerca de 1/3 daqueles que ultrapassavam o primeiro ano de vida (portanto, não contabilizados como vítimas da mortalidade infantil) morriam até os 6 anos de idade. Os 60% dos sobreviventes morriam até os 16 anos. Por volta dos 26 anos 75% já tinha morrido e aos 46 anos, 90% já desaparecido, chegando aos 60 anos de idade uma cifra inferior aos 3% da população” [14].





    É claro que essas informações não estão uniformemente distribuídas por toda a população da época. Os que mais sofriam pertenciam às classes mais pobres das cidades e povoados, já que um pobre em Roma e na Palestina, no século I de nossa era, tinha uma expectativa de vida de 30 anos, quando muito. E o autor acrescenta: “Estudos feitos por paleopatologistas indicam que doenças infecciosas e desnutrição eram generalizadas. Aos 30 anos a maioria das pessoas sofria de verminose, seus dentes tinham sido destruídos e sua vista acabado (...) 50% dos restos de cabelo encontrados nas escavações arqueológicas tinham lêndeas” [15].

    Eles viviam em moradias precárias, condições sanitárias inadequadas, sem assistência médica e com uma péssima alimentação. Olhemos para a audiência de Jesus, que estando com seus trinta e poucos anos de idade, era mais velho do que 80% de sua audiência. Uma plateia doente, desnutrida e com uma expectativa de mais 10 anos de vida, se tanto! As condições de vida dos camponeses palestinos da época de Jesus revela que a violência que sofriam era brutal. Fraudes, roubos, trabalhos forçados, endividamento, perda da terra através da manipulação das dívidas atingiam a muitos. Havia uma violência epidêmica na Palestina. As convulsões sociais eram constantes e muita gente era assassinada ou desapareciam do cenário público, principalmente os que lideravam as revoltas contra o domínio do Império Romano.




  • É nesse tempo que surgiu o grupo dos sicários. Eles eram assim chamados por usarem em suas ações uma adaga curva e curta chamada “sica”. Sua tática era provocar tumultos e desestabilizar o governo através de assassinatos inesperados de personagens importantes. Eles escondiam a sica sob as vestes e misturados na multidão eliminam não só romanos, mas qualquer pessoa que colaborasse com a ocupação estrangeira. Um dos assassinados neste tempo pelos sicários é o sumo sacerdote Jônatas. Foi nos dias dessa geração que Deus escolheu enviar Seu Filho ao mundo e Ele viveu exposto a todas essas situações e ameaças.

    Cristo se movia sempre com extrema compaixão e amor pelas pessoas. Mat. 14: 14. Quando ensinou o Sermão da Montanha Mateus 5,6 e 7, Ele estava apresentando ao povo soluções políticas e sociais que já estavam inseridas na Lei de Moisés, mas há muito vinha sendo distorcida pelos religiosos que traduziam erradamente a Palavra de Deus para eles. Ele disse que não veio para destruir a Lei, mas para cumprir. Mat. 5: 17-18. Ao fazê-lo, Ele inaugurou a lei do espírito e vida que poderia libertar aquelas pessoas de uma maneira completa e absoluta. Rom. 8: 1-4. Durante o tempo que ensinou as multidões, Jesus realizou milagres extraordinários como demonstração do poder de Deus que existe permanente em Sua Palavra. Mat. 8: 16.




    Os milagres são uma necessidade e eles precisam acompanhar a vida daqueles que tem fé em Cristo. Quando as pessoas ouvirem uma verdadeira Palavra de Deus haverá um testemunho da parte Dele para confirmá-la. Mas estamos falando do tipo de milagre que afeta não apenas as pessoas em suas profundas necessidades pessoais, mas transforma toda uma sociedade corroída pelo câncer da incredulidade e ausência de Deus. Mar. 7: 29; 16: 20; Luc. 4: 36; At. 14: 3.



  • A mensagem de Cristo não traz apenas uma esperança eterna, ela também possibilita à raça humana viver em um estilo de vida que é agradável a Deus e cria resultados. A mesma Palavra que se sobrepôs ao caos existente daqueles dias e levantou um povo que transformou várias gerações é poderosa para operar em nossas vidas hoje. Atos 2: 40-27; 4: 24-35; Hebreus 2: 1-4.

    FATEM / SECAM / IFPT / SEMIBE

Nenhum comentário:

Postar um comentário