sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Saiba como ratos completamente paralisados, conseguiram voltar a andar...

Saiba como ratos completamente paralisados conseguiram voltar a andar...


paralyzed-rats[1]
Usando a estimulação elétrica, os cientistas do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (EPFL) ajudaram ratos paralisados, ​​devido a cortes na medula espinhal, a voltarem a andar. E pode não estar muito longe de este tratamento promissor começar a ajudar as pessoas, já que os testes em humanos podem começar em breve. O estudo foi publicado na Science Translational Medicine .
A lesão medular é uma das principais causas de paralisia nos EUA e as perspectivas para a grande maioria dos pacientes é desoladora. A medula espinal é essencial para o movimento porque atua como um intermediário entre o cérebro e o restante do corpo. Quando ela é lesionada, o fluxo de informações para outras partes do corpo pode ser afetado, resultando na incapacidade de mover alguns ou todos os membros. Infelizmente, não existe nenhum tratamento eficaz, sendo a paralisia  permanente para muitos.
20120619113631[1]
Mas, recentemente, tem havido alguns desenvolvimentos encorajadores em tratamentos, em que os cientistas descobriram uma maneira de imitar os sinais do cérebro necessários para o movimento, estimulando diretamente a medula espinhal com pulsos elétricos. Notavelmente, esta terapia experimental permitiu quatro homens paraplégicos a recuperar algum movimento voluntário em seus quadris, tornozelos e dedos dos pés.
O problema com esta técnica, que é conhecida como estimulação elétrica epidural (EEE), é que a amplitude e a frequência de impulsos elétricos têm de ser constantemente ajustados, o que é difícil de conseguir enquanto um indivíduo tenta andar. Para superar esta limitação, os investigadores do EPFL têm desenvolvido  algoritmos que ajustam automaticamente os impulsos em tempo real durante a locomoção, melhorando drasticamente o controle do movimento.
rato_arnes
Para o estudo, os pesquisadores usaram ratos paralisados, ​​cujas medulas espinhais foram completamente cortadas. Eles implantaram cirurgicamente eletrodos em seus espinhos e, em seguida, os colocaram sobre uma esteira, apoiando-os com um arnês robótico. Depois de testar diferentes pulsos e monitorar padrões de caminhada, os pesquisadores descobriram que havia uma relação entre a altura que o rato levantou seus membros e a freqüência de pulso.Usando essas informações, os pesquisadores foram capazes de desenvolver um algoritmo que monitorava constantemente o movimento dos ratos. Estes dados alimentavam o sistema, o que permitiu ajustes rápidos automáticos na estimulação em tempo real, imitando a maneira como os neurônios disparam naturalmente.
Os ratos foram capazes de caminhar mil passos sem falhas e foram ainda capazes de subir escadas. “Nós temos o controle completo das patas traseiras dos ratos”, disse o neurocientista Grégoire Courtine, do EPFL, em um comunicado à imprensa . “O rato não tem controle voluntário de seus membros, mas a medula espinhal cortada pode ser reativado e estimulada a realizar a caminhada natural.”
Espera-se que uma versão em tamanho humano do sistema poderá ser utilizada na reabilitação assistida por robô, o que pode ajudar os pacientes com lesão medular incompleta aprender a andar novamente. Os pesquisadores querem testar em humanos um sistema incrementado, chamado Plataforma Gait, já no próximo verão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário