sábado, 20 de dezembro de 2014

TARTARUGA QUE VIVE em ilha, pode ser animal mais velho do planeta.







Jonathan, de 182 anos, 'perdeu a chance de conhecer Napoleão' na ilha de Santa Helena



Nosso mundo é cheio de criaturas estranhas e fascinantes, muitas delas que espantam os cientistas até hoje. Seria verdade que uma tartaruga em uma ilha do Oceano Atlântico nasceu na primeira metade do século 19?
Lantation House, na ilha de Santa Helena, é a residência oficial do governador dos territórios britânicos ultramarinos no Sul do Atlântico. Lá vivem Jonathan, Myrtle e Fredrika – três tartarugas das cinco de uma espécie rara que habitam a ilha.

A mais velha delas é Jonathan, cuja idade registrada é de 182 anos. Ele é possivelmente o animal mais velho do mundo.

“Ele é praticamente cego, por causa da catarata, e não tem mais olfato – mas sua audição é boa”, diz Joe Hollins, um dos guias turísticos da ilha.

O animal é um espécime raro de tartaruga-das-seychelles, oriunda da ilha do mesmo nome, que fica no Oceano Índico. As companheiras de Jonathan são de uma espécie levemente diferente – o jabuti-gigante-de-aldabra, do atol que leva o mesmo nome.

Hoje há poucos jabutis-gigantes-de-aldabra no mundo – apenas 100 mil, mas só algumas dúzias conseguirão se reproduzir.
Napoleão...

A ilha de Santa Helena é famosa por ser isolada no meio do Atlântico Sul (no mapa, é um pequeno ponto entre a Bahia e Angola). Muitas vítimas do tráfico de escravos que adoeciam e não conseguiam completar a viagem da África às Américas ficavam na ilha, onde morriam após poucos dias. Além disso, Santa Helena abrigou Napoleão.

Nenhum dos moradores sabe explicar como Jonathan veio parar aqui. No século 17, os navios costumavam transportar centenas de tartarugas, muitas delas que serviam de refeição aos marinheiros.

Nas ilhas Galápagos, 200 mil tartarugas teriam sido abatidas para servir como refeição. A pergunta que intriga todos é: como Jonathan escapou deste destino? Uma hipótese é que o governador da ilha na época, Hudson Janisch, tenha adotado a tartaruga como animal de estimação.


Jonathan é praticamente cego, por causa da catarata, e não tem mais olfato  mas sua audição é boa", diz Joe Hollis, um dos guias turísticos da ilha


Desde Janisch, 33 governadores já passaram por aqui, e ninguém quer ter a má-sorte de ver Jonathan morrer durante o seu mandato. O atual mandatário, Mark Capes, diz que é importante que Jonathan seja “tratado com respeito, atenção e carinho, que ele merece”.

Uma foto de 1882 já mostra Jonathan em tamanho adulto. Esta espécie leva 50 anos para crescer ao seu tamanho pleno.



Caso ele realmente tenha 182 anos, Jonathan teria perdido por uma década a chance de “conhecer” Napoleão, que morreu em 1821 – pouco mais de dez anos antes do nascimento de Jonathan, que, segundo a estimativa, teria sido em 1832.

Os anos de “assédio” dificultaram ainda mais a vida de Jonathan. Turistas costumam fazer o possível e o impossível para conseguir registrar uma imagem do animal. Hoje em dia, foi organizada uma fila para que os turistas possam – de longe – fotografar Jonathan.

A tartaruga tem seus privilégios. Ela ganha carinho no pescoço e recebe bananas, repolho e cenouras para comer. Ele costuma comer com tanta ferocidade que uma vez quase perdeu parte de um dos dedos. Por isso, foram colocadas luvas em suas patas.

Tartarugas desta espécie podem viver até 250 anos. Os moradores da cidade já têm um plano especial de “funeral” para o caso de sua morte. O casco de Jonathan será exposto permanentemente em Santa Helena. Alguns estão até arrecadando dinheiro para criar uma estátua de bronze de Jonathan.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

CARANGUEJO COCO: maior artrópode terrestre do mundo.






Caranguejo Coco: maior artrópode terrestre do mundo...



Geralmente, caranguejos são bem conhecidos em diversas áreas, principalmente na zoologia e na culinária. Porém, essa espécie chama um pouco mais de atenção. Birgus latro é mais comumente conhecido como o “caranguejo coco” e é o maior artrópode terrestre do mundo. Também conhecido como “caranguejo ladrão”, devido à sua propensão curiosa para roubar talheres, panelas e frigideiras, é uma espécie que pode chegar até 9 quilos.


O caranguejo coco é uma particularidade em meio a diversidade das ilhas do Pacífico e Índico, apesar de suas populações serem extremamente ameaçadas em alguns locais por conta da ação humana. “A espécie cresce de forma bastante lenta, demorando até 120 anos para atingir o tamanho máximo”, afirma a ecologista Michelle de Drew, do Instituto Max Planck. Sua expansão é tão intensa que até ameaça infringir as próprias leis físicas.





Como um artrópode, o caranguejo coco usa seu esqueleto do lado de fora e deve desgarrar-se dele à medida que cresce, por isso, uma vez por ano, ele engatinha para uma toca de segurança e realiza a muda. Nesse momento, fica altamente vulnerável, uma vez que sai de uma casca rígida, e demora certo tempo para acontecer o desenvolvimento de novas ‘armaduras’. Essa espécie não absorve cálcio e outros nutrientes com muita facilidade e, para isso, precisa de tempo, porém, muitas vezes, ainda com o casco delicado, são perturbados por agentes externos.


“Em um ambiente de água em que você precisa do apoio da água para se mover, com uma casca, fica muito mais pesado e difícil“, disse Drew. “Mas em terra, a gravidade desempenha um papel enorme para você se mover e os caranguejos de coco estão provavelmente nos limites do que é dado como gravidade sustentável, como o peso da casca e os recursos disponíveis para eles em termos de comida e água“.


E alimentar esse crescimento incrível não é tarefa fácil, por isso, o caranguejo coco come qualquer coisa que suas presas podem agarrar. Ele vai atrás de frutas, vegetação e carniça: aves mortas e outros caranguejos coco, inclusive jovens felinos e aves.





Agora, o alimento favorito parece ser cocos, que ele abre com facilidade por ser equipado com pinças enormes.


“Eles usam suas garras para afastar as fibras exteriores“, disse Drew. “Isso às vezes pode demorar muitos dias e muitas vezes envolve uma série de caranguejos. Eles, então, usam a sua mais longa pata para perfurar um buraco no coco e, em seguida, eles podem usar suas garras para arrombá-lo“.


O caranguejo coco encontra comida com o seu sentido extremamente bem desenvolvido do olfato. Como um inseto, ele usa um sistema de antenas extremamente aguçado, dedicando inteligência considerável para isso.


“O cérebro desta espécie é enorme em comparação a outras espécies de caranguejos”, disse Drew, “E tem semelhanças com o desenvolvimento olfativo dos insetos, mostrando-se um bom exemplo de evolução convergente associado com uma adaptação em terra“.


Apesar de ser o maior artrópode terrestre do mundo, caranguejos coco começam suas vidas no mar. Após o acasalamento em terra firme, a mãe libera seus ovos fertilizados no oceano, onde se transformam em larvas com cerca de um mês. Elas, então, são introduzidas no que é conhecido como a fase “glaucothoe” e encontram uma concha de caracol para ocupar. Neste ponto, o caranguejo coco é, em essência, muito parecido com o caranguejo eremita que você compra na loja de animais. Entretanto, depois que o caranguejo coco alcança a terra, ele nunca mais retorna ao mar, exceto para liberar seus ovos. Eles provavelmente se afogariam se ficassem em um lugar totalmente submerso.





Apesar de seu tamanho bizarro, suas tenazes maciças e sua armadura formidável, o caranguejo coco encontra-se cada vez mais em perigo. Há milhões de anos, eles viviam em ilhas sem grandes mamíferos predadores, permitindo-lhes atingir proporções incríveis. Porém, isso está mudando com a invasão humana, que tem bagunçado suas cadeias alimentares.


“É por isso que eles estão desaparecendo,” disse Drew. “A maioria das ilhas em que eles vivem agora tem coisas como porcos, cães e seres humanos, tudo o que ele não está acostumado a comer”.


Encontrar caranguejos coco verdadeiramente maciços e saudáveis está se tornando cada vez mais raros. Eles simplesmente não conseguem sobreviver por tempo suficiente para crescer em seu pleno potencial.

CIENTISTAS ENCONTRAM UM ESCUDO INVISÍVEL., no melhor estilo Star Trek, a milhares de quilômetros da Terra...

O melhor estilo Star Trek, a milhares de quilômetros da Terra.Resultado de imagem para Cientistas encontram um escudo invisível fotos

O trabalho de uma equipe de pesquisadores da Universidade do Colorado em Boulder, nos EUA, se deparou com a descoberta de um escudo invisível. Situado a 12 mil quilômetros da Terra, ele a protege dos chamados “elétrons assassinos”, ou seja, as partículas que circundam o nosso planeta a uma velocidade próxima a da luz e que representam uma verdadeira ameaça para astronautas, satélites e sistemas espaciais durante as tempestades solares.


 “Sinceramente, quando vimos esta ‘barreira’ persistente que atuava contra os elétrons altamente energéticos na magnetosfera da Terra, ficamos totalmente perplexos e desconcertados. Era como se as rajadas de elétrons se chocassem contra uma parede de cristal no espaço”, afirma o professor Daniel Baker, responsável pelo estudo.

Resultado de imagem para Cientistas encontram um escudo invisível fotos

ENQUANTO OS ESPECIALISTAS TENTAM EXPLICAR AS ORIGENS DO ESCUDO, UMA DAS HIPÓTESES MAIS PROVÁVEIS DIZ QUE SUA ORIGEM É INFLUENCIADA PELA PLASMASFERA, A GIGANTESCA NUVEM DE GÁS FRIO QUE SE ESTENDE POR MILHARES DE QUILÔMETROS AO LONGO DO CINTURÃO DE VAN ALLEN

Esse escudo, no melhor estilo Star Trek, está localizado no interior dos cinturões de Van Allen, um par de anéis de elétrons e prótons de altíssima energia, descobertos pelo professor James Van Allen em 1958. Sobre isso, Baker explica que os cinturões reagem às mudanças de energia procedentes do Sol. 

Resultado de imagem para Cientistas encontram um escudo invisível fotos

Enquanto os especialistas tentam explicar as origens do escudo, uma das hipóteses mais prováveis diz que sua origem é influenciada pela plasmasfera, a gigantesca nuvem de gás frio que se estende por milhares de quilômetros ao longo do cinturão de Van Allen.Imagem relacionada

Fonte: colorado.edu

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

PROFISSÕES DE FUTURO! Confira as profissões que estarão em alta no futuro e prepare-se para se dar bem nos próximos anos!



Um dos elementos que devemos considerar ao escolher um curso no vestibular é se a profissão será valorizada no mercado de trabalho. E é importante saber também qual será a situação daquela carreira no futuro próximo. Isso porque entre você entrar na faculdade e sair dela podem se passar de dois e seis anos. E durante esse tempo o cenário pode mudar!



É comum que em alguns anos o mercado de trabalho seja um pouco diferente, com uma nova geração de profissionais ocupando cargos que antes nem existiam. Ao mesmo tempo, há aquelas profissões tradicionais que podem continuar em alta.

Descubra a faculdade certa pra você em 1 minuto!

Seguindo previsões de algumas das principais consultorias de recrutamento profissional do mercado (Robert Half, Michael Page e Hays), listamos aqui as profissões que provavelmente estarão (ou permanecerão) em alta num futuro próximo.

Confira as dez profissões do futuro!
1. Profissionais de Big Data

As empresas estão superlotadas de dados. Informações coletadas de inúmeras fontes (sistemas internos e externos) precisam ser trabalhadas, analisadas e transformadas em material estratégico. Desse material é possível extrair informações valiosas sobre gostos e tendências do consumidor, reações de mercado, etc.

Mas para isso é preciso ter um profissional especializado em organizar, tratar e analisar todos esses dados, interpretá-los e extrair deles as informações estratégicas para um melhor posicionamento empresarial.

Os profissionais de Big Data combinam conhecimentos da área de tecnologia e das Ciências Exatas (Análise de Sistemas, Engenharia, Matemática, Estatística, etc.) com capacidades da área de Humanas, como Marketing e Psicologia, por exemplo.
2. Engenheiro com foco em Agronegócio

Existem diversas formações de Engenharia que trabalham com foco na produção agrícola e pecuária. Dentre as principais, podemos citar:
Agronomia
Aquicultura
Agrimensura
Ambiental
Florestal
De Pesca

Esses profissionais serão muito demandados nos próximos anos devido à expansão e modernização do setor do agronegócio – e não apenas para ajudar a aumentar a produção, mas também garantir a preservação dos solos, florestas e rios.

O perfil desejado alia conhecimento técnico a habilidades em gestão e negócios.
3. Designer de Inovação

O designer de inovação é o profissional que concebe ideias e funcionalidades inteligentes que possam se transformar produtos ou soluções de sucesso no mercado. O Brasil ainda avança a passos lentos neste ramo profissional, mas a tendência é que se fortaleça nos próximos anos.

É um profissional que pesquisa tendências e tem boa visão de desenvolvimento industrial.



4. Tecnologia da Informação

A Tecnologia da Informação é outro ramo que vai continuar a crescer no Brasil, independentemente do momento econômico.

O consumo de tecnologia tende a aumentar nas empresas, e a presença de profissionais capazes de conceber, implementar e gerir sistemas tecnológicos será fundamental. O futuro também exigirá mais desenvolvedores (de softwares, aplicativos e soluções) e especialistas em segurança.
5. Gestor de Resíduos




O tratamento de lixo de uma população que só cresce, além da necessidade cada vez maior de cuidar do meio ambiente, vão fazer disparar a demanda por profissionais habilitados em lidar com resíduos sólidos.

Essa é uma área multidisciplinar que pode ser desempenhada por gestores ambientais, engenheiros, químicos, tecnólogos em processos ambientais e em Saneamento Ambiental.

As leis brasileiras, como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, passaram a exigir a presença obrigatória de profissionais especializados da área de gestão do tratamento de água, esgotos, destinação correta do lixo, reciclagem e limpeza urbana.
6. Médico

Tempo vai, tempo vem e o médico continua a ser um dos profissionais mais requisitados do mercado.

No futuro não será diferente – a menos que inventem uma fórmula mágica que impeça a humanidade de adoecer.

Como o médico nunca trabalha sozinho, é possível dizer que também os enfermeiros, auxiliares de enfermagem e instrumentadores cirúrgicos também entram na lista dos profissionais do futuro.



7. Marketing

A competitividade entre as empresas continuará a crescer nos próximos anos. Com a necessidade de encontrar formas de se destacar no mercado e atrair o interesse dos clientes, vai aumentar a procura por profissionais da área de Marketing.
8. Professor

Assim como os médicos, os professores são profissionais atemporais e devem ser ainda mais requisitados no futuro.

O mercado de trabalho para esse profissional deve se ampliar nas redes pública e privada. As oportunidades são variadas: ensino médio e fundamental, universidades, institutos de formação tecnológica, escolas de idiomas e cursinhos.
9. Profissional de Logística



Considerado figura estratégica dentro de uma empresa, o profissional de logística responde pela inteligência operacional e processual de uma empresa, cuidando de itens como transporte, armazenamento, compras, distribuição e entrega de produtos.

A exigência por maior produtividade e menor custo deve ampliar ainda mais o mercado para os logísticos. É uma profissão que oferece inúmeras possibilidades de atuação e deverá se manter uma carreira bem remunerada, principalmente na indústria. Ótimas oportunidades devem surgir também nos setores do comércio e prestação de serviços.


10. Biotecnólogo

O biotecnólogo trabalha com a manipulação de material biológico para melhorar a qualidade dos alimentos, produzir remédios e encontrar formas mais eficazes para o tratamento de doenças.

É um dos profissionais mais importantes no processo de aliar desenvolvimento e sustentabilidade. Seu papel deve ser ainda mais importante nas indústrias, centros de pesquisa e laboratórios.
Onde estudar para se formar nas profissões do futuro

Confira algumas das principais universidades reconhecidas pelo MEC que oferecem cursos de graduação para ingressar em profissões do futuro.

Universidades Privadas:
Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)
Universidade Estácio de Sá (UNESA)
Centro Universitário UNISEB(UNISEB-Estácio)
Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)
Centro Educacional Anhanguera (Anhanguera)

Universidades Públicas:
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Universidade Federal de Sergipe (UFS)
Universidade de Brasília (UNB)
Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Fonte: https://www.mundovestibular.com.br/cursos/as-10-profissoes-do-futuro

FLORESTA AMAZÔNICA É UM DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS DO MUNDO ATUAL.




BIODIVERSIDADE DA AMAZÔNIA

A floresta das alturas a presença da mata é bem visível e a extensa área verde, na mata fechada, parece não ter fim. O que observamos nesta grande área são as copas das árvores, que de tão juntas nos permitem ter essa visão e é por causa delas que há a dificuldade da entrada dos raios solares.

Olhando através das árvores, presenciamos uma variedade de plantas e árvores que são diferentes em espécie e em tamanho. Árvores que chegam a mais de 40 metros de altura e sustentam cipós, raízes de outras plantas, folhas, ramos, plantas apoiadas em outras e isto não impede a passagem livre dos nutrientes.

Como o solo não recebe muita luz solar, o ambiente é escuro e existe pouca cobertura verde, sendo ele formado por serapilheira e não por uma vegetação abundante e verde.

Justamente por isso, a fauna da Floresta Amazônica é composta por animais de pequeno e médio porte. A vida nesse ecossistema pode ser interferida por qualquer alteração, quer seja natural ou humana. Esta é a relação entre seres vivos e não vivos e entre o homem que vem causando problemas neste grande bioma.

ANIMAIS DA FLORESTA AMAZÔNICA

Animais Floresta Amazônica de acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2005, a fauna amazônica era constituída de 4.221 espécies de animais. Talvez imaginava-se que a Floresta Amazônica era como os filmes do Tarzan, deslizando sobre os galhos, cercado de elefantes, lobos, girafas, etc. É claro que este ambiente é encontrado em florestas como na África (que é a menor área de floresta tropical do mundo) ou no Pantanal, mas não na Floresta Amazônica.

Apesar disso, existe uma fauna variada e espécies desconhecidas. Os mais populares são os macacos, como o macaco-aranha, os guaribas, os coatás, os barrigudos, etc. Há também a presença de muitos répteis, anfíbios, peixes, mamíferos terrestres e aquáticos, aves e muitos insetos. Nos rios amazônicos existem cerca de 85% de espécies de peixes da América do Sul e um dado curioso é que só no Rio Negro foram catalogadas 450 espécies de peixes.
Outro fato interessante é o processo conhecido como piracema, no período da desova dos peixes, eles nadam contra a correnteza, encontrando obstáculos para reprodução da sua espécie. Além de obstáculos naturais, eles também fogem da pesca predatória, que é proibida durante essa época. Sendo este um sistema interligado, onde qualquer alteração produz desequilíbrios consideráveis, a pesca predatória durante a piracema prejudica a cadeia alimentar havendo o desaparecimento de algumas espécies e aumento de outras.

A maior parte da fauna amazônica é composta por muitos insetos, nela encontra-se besouros, formigas, vespas, mariposas, etc. Esses animais são de grande importância nos ecossistemas, pois ajudam na polinização das plantas direta ou indiretamente.

Já as aves são responsáveis por colocar um pouco de cor na floresta. Na Amazônia existem 1.300 espécies de aves, constituídas por araras, papagaios, periquitos, tucanos, entre outros.

PERIGOS DA MATA

A Floresta Amazônica é cercada de beleza, mas também encontramos muitos perigos ao adentrarmos na mata.



As dificuldades que os expedicionários encontraram no passado foi a presença de mosquitos e insetos transmissores de enfermidades diversas tais como serpentes venenosas, plantas espinhosas e venenosas, índios, rios e cavernas desconhecidos. Portanto, na hora de nos aventurarmos na Amazônia, precisamos ficar de olhos abertos e observar tudo em detalhes. Um modo de defesa, no encontro com um animal nocivo, é vê-los a distância e ter muito cuidado, tratando de observar todos os lugares. Conheça alguns animais perigosos:

Mosquitos – mais conhecidos como muriçocas, pernilongos ou borrachudos. Essas pequenas criaturas estão relacionadas a mais de 2 milhões de mortes de pessoas por ano no mundo. Ao viajar para a Amazônia, principalmente na primeira viagem, tome todas as vacinas e use repelente, pois estes insetos gostam muito de locais úmidos e com muita formação arbórea.

Cobras venenosas – jararaca, surucucu, coral e a cobra papagaio, estas são as espécies de cobras mais perigosas da Floresta, mais ativas a noite, encontram-se penduradas em árvores, troncos ocos, buracos, rastejando-se no chão e o alvo de ataque delas são os pés e as pernas. Por isso, nas caminhadas pela floresta devemos usar botas e sapatos que nos protejam da ação de certos animais. Sendo elas as responsáveis por mais de 100 mil mortes por ano no mundo.



Aranhas – são perigosas as aranhas armadeira e marrom. Se for picado por uma delas, é necessário a aplicação de soros correspondentes a uma determinada espécie.

Escorpiões – os escorpiões preto e amarelo são nocivos ao homem e possuem uma picada dolorosa e intensa, sendo necessário a aplicação do soro em casos graves.

Arraias – vivem em águas doces, em lagos, rios e possuem um ferrão serrilhado coberto de veneno. O ideal é arrastar os pés sobre as águas e cutucar o fundo do rio com um galho.

Animais selvagens – onças, jaguatiricas e gatos do mato podem ser um perigo quando estão famintos ou quando confundem a sua presa com um ser humano, caso isso aconteça, não fique parado. Suba em uma árvore e fique por lá até o felino ir embora.

FLORA DA AMAZÔNIA
A Floresta Amazônica é cercada por várias espécies já catalogadas. Com aproximadamente 2.500 espécies de árvores e 30 mil espécies de plantas, elas constituem um patrimônio para os recursos que o homem utiliza da natureza. Madeiras com valor comercial e próprias para o uso, a floresta possui a maior reserva de madeira do mundo.

As espécies mais conhecidas são a castanheira, a seringueira, a vitória-régia e o cacaueiro. As árvores consideradas de grande porte ficam próximas umas das outras e impedem a passagem dos raios solares que dificultam o surgimento de uma vegetação rasteira que é encontrada em poucos lugares.

Em algumas árvores amazônicas presenciamos o crescimento de plantas como orquídeas e bromélias que mantém uma relação mútua. Assim, metade das plantas existentes no Brasil são encontradas nessa floresta. A cada ano que passa mais espécies são catalogadas em todo o mundo e adicionadas à lista.



FONTE

https://www.sosamazonia.org.br

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

PERERECAS INVASORAS incomodam moradores em bairro de São Paulo.



Pererecas invasoras incomodam moradores em bairro de São Paulo...



Nativas do Caribe, animais estão em época de reprodução e fazem muito barulho, acima de 50 decibéis.

Relato poe em guarda outros locais que poderão ser infestados...

Marilene Ayalla

PARA QUEM QUISER VER A MATÉRIA DO FANTÁSTICO:
Entra no g1.globo.com, a direita no alto CLICA em VÍDEOS ao abrir nova página CLICA a esquerda em JORNALISMO E procura abaixo a FOTO do SAPINHO.

Marilene Ayalla




Quintal da casa da Marilene Ayalla, em São Paulo, 20h30, algumas horas depois ou quase 2h. O barulho não para. “É o tempo inteiro esse barulho, de outubro a abril. É uma tragédia para quem quer descansar”, conta a psicóloga.

E quem provoca essa tragédia toda é menor do que uma moeda de R$ 0,10. As pererecas, minúsculas, estão deixando Dona Marilene desesperada. “Penetra nos ouvidos e você de repente vai se sentindo irritado, desesperançado, com raiva”, diz.

O aparelho que mede a intensidade do som registrou mais de 50 decibéis. É mais barulho até do que o permitido pela legislação em bares de São Paulo. A partir das 22h, em bairros residenciais - o caso da Marilene - eles não podem passar de 45 decibéis.



Para fugir do barulho, o jeito é ficar trancada em casa. O Fantástico foi até a sala da casa e dava para ouvir.
Com a janela aberta, são aproximadamente 50 decibéis. Se fechar a janela dá para ouvir. Mas como dormir assim? “Tenho um monte de travesseiro. Eu deito e ponho dois assim e fico segurando”, explica a moradora.
O bairro da Marilene é na Zona Sul de São Paulo. As pererecas cantoras tomaram conta da rua. Também estão no jardim da Tereza.

Fantástico: O que esse barulho te lembra?
Tereza: Alarme disparado.
Fantástico: De carro, de casa?
Tereza: Qualquer coisa, porque é um som meio metálico. Você percebe que o som é bem agudo.

As pererecas começaram a aparecer no bairro há uns quatro anos. Os moradores reclamaram e um zoólogo que estuda anfíbios há mais de 30 anos foi chamado e descobriu que as pererecas são invasoras, vieram do Caribe.

“Elas são nativas das Antilhas e elas já invadiram outras regiões. A última invasão registrada é aqui na cidade de São Paulo. A minha impressão é que isso aqui foi trazido acidentalmente em plantas ornamentais”, explica Celio Fernando Baptista Haddad.

A espécie é chamada de perereca assobiadora, e o som tem um motivo: é tudo em nome do amor. “Todo esse barulho é produzido pelo macho dessa espécie, a fêmea é muda. É o macho que tem o papel de coaxar para atrair a fêmea da sua espécie”



“Infelizmente não é uma bela sinfonia, é bem desagradável”, lamenta Tereza.

Pior que essa sinfonia vai até o ano que vem. O período de reprodução começou em outubro e termina só em abril. O zoólogo diz que os quintais já estão tomados por milhares de pererecas. Se não forem controladas, elas podem se espalhar por outros bairros da capital. Foi assim com o caramujo gigante africano. “Ele foi introduzido no Brasil mais ou menos no final da década de 80 como uma segunda fonte de escargot. A Anvisa notou que esse animal não era para consumo humano e mandou recolher e a pessoa que fez introdução desse animal não soube fazer o descarte, descartou na natureza. E eles se reproduzem muito rápido”, diz o diretor de Vigilância Sanitária do Guarujá, Marco Antonio Chagas.

Ficou incontrolável.

“Hoje no país nós temos 23 estados já com proliferação de caramujos”, ressalta.

Nesta semana, eles voltaram a aparecer no Guarujá, litoral de São Paulo. “Depois dessas chuvas que tiveram. Chuva forte. No dia seguinte, a gente percebeu que tinha muitos em cima do muro. Tirei todos do ninho e joguei sal”, conta o analista financeiro Santiago Aparecido Pereira de Lima.

O caramujo pode causar meningite e perfuração intestinal, uma ameaça que não existe com as pererecas do Caribe. Elas não trazem risco à saúde.

E se quase todos os moradores da vizinhança estão irritados, tem gente que está se divertindo. Caio, Tiago e Lucas passam horas atrás das pererecas. “Você ouve o barulho lá onde você está você descobre onde você está. E aí você pega naturalmente”, conta um dos meninos.

“A gente guarda e depois solta de novo no quintal”, conta o menino.

Apesar da alegria do trio, o zoólogo diz que as pererecas precisam ser exterminadas: “Tem que matar, ele é uma praga, as pessoas as vezes ficam com dó, mas ele não é nativo, é uma espécie invasora. O som que ela emite pode interferir no som de uma espécie nativa. Então a fêmea da espécie nativa pode não conseguir encontrar o macho da sua própria espécie e não se reproduz”.

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo disse em nota que a gestão da fauna silvestre, no estado de São Paulo, é atribuição do governo estadual e que a prefeitura comunicou o governo para que a perereca fosse incluída na lista de espécies invasoras. A Secretaria Estadual do Meio Ambiente informa que não recebeu nenhum pedido sobre o caso e que está à disposição para tentar resolver o problema.


Marilene espera uma solução e sonha com o silêncio. “Eu queria voltar a ter minhas noites de sono que eu tinha. Eu moro há 35 anos nessa casa”, diz.

Para ver tudo...coloque o linque abaixo no seu navegador:

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/12/pererecas-invasoras-incomodam-moradores-em-bairro-de-sao-paulo.html

Enquanto isso não acontece, o trio de caçadores segue se divertindo com as perereca..


domingo, 14 de dezembro de 2014

AS ULTIMAS PALAVRAS de Estêvão. O incompreendido. (apedrejado por isso).




Estêvão é lembrado como o primeiro de muitos mártires no reino de Jesus Cristo. Ele entrou na história em Atos 6 e foi apedrejado no capítulo seguinte.


Resultado de imagem para eSTEVAO FOTOS

 O nome dele aparece apenas 10 vezes, todas no livro de Atos. Embora o tempo dele no palco da história tenha sido pouco, a importância da vida desse servo não deve ser subestimada. Ele mostrou características essenciais de um discípulo verdadeiro do Senhor.


Escolhido para servir na igreja de Jerusalém...
O nome de Estêvão se encontra pela primeira vez na lista de sete servos escolhidos pela igreja em Jerusalém (Atos 6:5). Esses homens foram encarregados do cuidado das viúvas na igreja. Eles se preocuparam diariamente com a alimentação dessas mulheres, assim deixando os apóstolos livres para cumprir suas responsabilidades espirituais. Estêvão já havia demonstrado o fruto do Espírito Santo na sua vida, e, depois da imposição das mãos dos apóstolos, ele realizou grandes milagres e pregou poderosamente a palavra de Deus (Atos 6:6-10).

Imagem relacionada


Local em que Estevão foi apedrejado em JERUSALÉM.

Pela vida desse homem entendemos que o serviço do cristão inclui diversos tipos de serviço. Estêvão pregou bem, mas ele também demonstrou bondade em relação às pobres viúvas. Jesus interrompeu seu ensinamento da palavra do Pai para dar atenção às crianças, ensinando uma importante lição para os seguidores dele.

Nós, como os apóstolos, devemos dar prioridade no nosso serviço no reino de Deus (veja Atos 6:2-4). Precisamos aprender a lição que Jesus ensinou a Marta (Lucas 10:38-42). Mas, jamais podemos fazer a vontade de Deus e esquecer das pessoas carentes ao nosso redor. O servo verdadeiro de Deus se preocupa com viúvas, crianças e pobres (veja Mateus 25:31-46).

Pregador corajoso...

Quando o trabalho de Estêvão ficou conhecido, algumas pessoas se levantaram contra esse servo (leia Atos 6:8-14). Discutiam com ele, mas não conseguiam resistir seu ensinamento. Estêvão pregava a verdade, mas esses homens não tinham a humildade bastante para admitir seus próprios erros. Ao invés de aceitar e apoiar o trabalho desse servo, os homens usaram táticas desonestas para o opor. Subornaram falsas testemunhas para provocar uma reação popular contra Estêvão.

Como vamos ver ainda em nosso estudo, Estêvão não desistiu quando enfrentou esses desafios e as táticas carnais de homens. Ele continuou pregando a mesma mensagem, independente do custo pessoal. Os homens podiam prender e até matar o servo, mas jamais venceriam o Senhor dele. Do exemplo dele, compreendemos melhor a importância de ser corajosos em manter convicções baseadas na palavra de Deus. Não devemos defender nossas próprias opiniões ou preferências, mas nunca devemos abandonar a verdade para agradar a homens (Romanos 14:19; Gálatas 1:10-12).

Qualquer pessoa que se mostra fiel no reino de Deus sofrerá perseguição (2 Timóteo 3:12). Não devemos nos estranhar quando homens carnais criticam ou procuram destruir o nosso trabalho. Ao mesmo tempo, não devemos imaginar que estejamos certos somente porque outros nos perseguem. A perseguição, por si só, não prova que alguém esteja servindo ao Senhor. Falsos professores, também, podem ser rejeitados e maltratados. O único padrão que podemos usar para avaliar nosso próprio trabalho ou o trabalho de qualquer outro é a palavra revelada por nosso Deus nas Escrituras. É essa palavra que nos julgará (João 12:47-50).

Os temas da defesa...

A defesa de Estêvão em Atos 7 é uma das mais belas pregações relatadas no livro de Atos. Sua beleza não está em palavras suaves. Estêvão não lisonjeou seus ouvintes, nem contava piadas ou histórias pessoais para os divertir. A beleza dessa mensagem vem da sua fidelidade à verdade em responder com a verdade às idéias erradas dos ouvintes. Estêvão não ganhou nenhum concurso de pregadores que mais agradam às pessoas, mas ele pregou a palavra habilmente.

Mesmo quando sua vida estava em jogo, Estêvão não perdeu tempo com defesas pessoais. O seu Senhor era muito maior do que o humilde servo, então ele defendeu o evangelho de Jesus. As acusações contra Estêvão atingiram dois pontos doutrinários: 1. a importância do santo lugar (o templo em Jerusalém) e 2. a posição da lei do Antigo Testamento depois da morte de Jesus. Em ambos os casos, eles distorceram a mensagem que ele pregou, mas abriram a porta para o evangelista esclarecer a verdade sobre a salvação em Cristo. Além dessas acusações, houve mais uma questão implícita na controvérsia: eles estavam rejeitando um servo escolhido por Deus.



Estêvão, guiado pelo Espírito Santo, tratou desses três temas no desenvolvimento de sua mensagem. Ele mostrou que a comunhão com Deus não dependia de lugar, assim respondendo às acusações sobre o templo. Ao mesmo tempo, ele mostrou que Deus mantinha comunhão com várias pessoas que não guardavam a lei dada aos israelitas no monte Sinai. Nos exemplos que ele citou, Estêvão mostrou que muitos homens rejeitados pelos homens foram escolhidos por Deus, assim reprovando o tratamento de Jesus e dele mesmo pelo povo de Jerusalém.

Quando o servo de Deus responde às perseguições, ele deve sempre aproveitar a oportunidade para ensinar sobre a palavra de Deus. As perguntas e até as acusações de homens abrem portas para ensinar sobre nosso Senhor e Salvador (1 Pedro 3:13-17).

Os exemplos citados...

Na sua defesa, Estêvão seguiu o mesmo princípio que percebemos no trabalho de Jesus, Pedro, Paulo e outros grandes pregadores. Ele começou onde os ouvintes estavam, e procurou trazê-los à verdade. Jesus pregava assim. Com a samaritana, ele começou com água (João 4:1-30). Com os saduceus, ele trabalhou dentro dos livros que eles reconheciam, os primeiros cinco livros do Velho Testamento (veja, por exemplo, Mateus 22:23-33). Pedro começou com profecias do Velho Testamento (Atos 2:16) e com Abraão, Isaque e Jacó (Atos 3:13). Filipe começou com Isaías, onde o eunuco estava lendo (Atos 8:35). Paulo começou com as imagens dos atenienses (Atos 17:22-23).



Semelhantemente, Estêvão pregou aos judeus (pessoas que seguiam a lei dada no monte Sinai) usando diversos personagens do Antigo Testamento. Cada exemplo serviu para reforçar seus temas principais. Veja na tabela abaixo como ele desenvolveu esses temas.



Uma vez que Estêvão citou todos esses exemplos históricos, a conclusão foi óbvia. Da mesma forma que outros servos escolhidos por Deus foram rejeitados no passado, os judeus em Jerusalém haviam rejeitado Jesus. Na conclusão da defesa, Estêvão não procurou se justificar, nem tentou agradar aos ouvintes. Ele falou a verdade, custa o que custar: "Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim como fizeram vossos pais, também vós o fazeis. Qual dos profetas vossos pais não perseguiram? Eles mataram os que anteriormente anunciavam a vinda do Justo, do qual vós agora vos tornastes traidores e assassinos, vós que recebestes a lei por ministério de anjos e não a guardastes" (Atos 7:51-53). Como o Senhor morreu, o servo também chegou ao fim da vida aqui. Estêvão foi apedrejado.

O exemplo de Estêvão nos desafia ainda hoje. Numa época que até muitos cristãos fogem de qualquer crítica, a coragem de Estêvão serve para nos encorajar. Quando temos convicção da verdade, devemos falar e defender o nome do nosso Senhor.

Um jovem com convicções fortes...
Um jovem chamado Saulo participou quando Estêvão foi morto. Ele mostrou, nos dois capítulos seguintes, que também tinha convicções fortes. Ele opunha tudo que Estêvão defendia, achando que os cristãos realmente mereciam a morte. Não entraremos na história da conversão de Saulo, mas anotaremos um ponto importante. O fato de alguém ser convencido e zeloso não é prova de que esteja certo. Estêvão e Saulo eram igualmente convictos de suas respectivas doutrinas, mas um dos dois estava totalmente errado. Pela graça de Deus, Saulo não morreu no mesmo dia. Pela longanimidade do Senhor, a ele foi concedido tempo suficiente para aprender a verdade e se arrepender.

Conclusão...
Temos poucas informações sobre a vida de Estêvão. Um homem bom e dedicado perdeu a sua vida por causa do evangelho. Mas desse pequeno relato, podemos aprender muito. Considere estas lições da vida e da morte de Estêvão: 1. Deus sempre é o mesmo.2. Deus sempre quer a fé obediente. 3. Homens maus rejeitam Deus e seus servos. 4. Devemos pregar Jesus crucificado (1 Coríntios 2:2). 5. Devemos pregar o que os ouvintes precisam, não o que eles querem ouvir (2 Timóteo 4:1-5).

Estêvão nos mostra que a palavra de Cristo é mais importante do que a nossa própria vida, ilustrando bem o princípio que Jesus ensinou: "Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la-á" (Mateus 10:39).

- por Dennis Allan.. EDIÇÃO JO/ELI.