quarta-feira, 10 de setembro de 2014

PLANETA SEMELHANTE À TERRA É ENCONTRADO.



CIENTISTAS ENCONTRAM PLANETA SEMELHANTE À TERRA

CIÊNCIA E ESPAÇO

FLÁVIO CROFFI @ 4 NOV 2013 | 1:30 PM
Um planeta semelhante à Terra foi encontrado por cientistas. Mas ele está a nada menos que 700 anos-luz daqui. O que daria uma viagem de 700 anos na velocidade da luz para até chegar ao planeta.




PLANETA SEMELHANTE À TERRA É ENCONTRADO
“É parecido com a Terra no sentido de que é aproximadamente o mesmo tamanho e massa, mas é claro que é extremamente ao contrário da Terra, pelo menos 2.000 graus mais quente”, disse o membro da equipe Josh Winn, professor associado de física no MIT e um membro do Instituto Kavli de Pesquisas de Astrofísica e Espaço. 


Resultado de imagem para planeta semelhante a terra é encontrado fotos

“É um passo ao longo do caminho de estudar planetas semelhantes à Terra”.

O planeta é chamado de Kepler 78b e ele completa sua órbita em torno de sua estrela em apenas 8,5 horas. Diferente da Terra, que leva 365 dias para completar uma volta em torno do sol.


Imagem relacionada

A massa do Kepler 78b é apenas 1,7 maior do que a da Terra, além de ser um planeta rochoso, o que o torna parecido fisicamente.
As informações foram publicadas no jornal científico Nature.
“O padrão ouro na ciência está em ter seus resultados reproduzidos por outros pesquisadores”, explicou Andrew Howard, do Instituto de Astronomia na Universidade do Havaí. “Neste caso, nós não temos que esperar para que isso aconteça”.

Imagem relacionada

Para analisar o planeta, os cientistas utilizaram um dos maiores telescópios do mundo, do Observatório Keck, no Havaí.

PLANETA SEMELHANTE TERRA

A COLISÃO DE ASTEROIDE SEIS VEZES MAIOR QUE DA ERA DOS DINOSSAUROS.






CIENTISTAS RETRATAM COLISÃO DE ASTEROIDE

CIÊNCIA E ESPAÇO


FLÁVIO CROFFI

Cientistas reconstruíram uma colisão de asteroide que retrata a rocha o qual matou os dinossauros (há 65 milhões de anos) parecer um brinquedo. Esta enorme colisão ocorreu há 3,26 bilhões de anos e envolveu um asteroide de 37 por 57 Km de extensão – seis vezes maior do que a rocha que extinguiu os dinossauros. Ela criou uma cratera de 500 Km e gerou impactos sísmicos mais poderosos do que qualquer terremoto já registrado na história, segundo os pesquisadores.

“O impacto do asteroide foi, de longe, maior do que qualquer coisa em bilhões de anos”, disse Jay Melosh, da Universidade de Purdue, que não estava envolvido no estudo.



A COLISÃO DE ASTEROIDE SEIS VEZES MAIOR QUE DA ERA DOS DINOSSAUROS
Norman Sleep e Donald Lowe, ambos da Universidade de Stanford, mapearam os detalhes do impacto cataclísmico depois de estudar rochas na região da África do Sul.

Isso aconteceu em um local onde os cientistas podem nunca encontrar, mas deixou rastros em rochas da África do Sul em todo o planeta.

“Isto dá apoio significativo para a ideia de que o impacto pode ter sido responsável por uma grande mudança tectônica”, disse o geólogo Frank Kyte.

A colisão gigantesca provavelmente representou um grande desafio para a vida na Terra, que evoluiu há cerca de 3,8 bilhões de anos. O céu teria sido preenchido com poeira e, provavelmente, se tornou incrivelmente quente, enquanto as camadas superiores do oceano teriam evaporado, disseram os pesquisadores. Isso teria eliminado diversas formas de vida no planeta.

“Estamos tentando entender as forças que moldaram o nosso planeta no início de sua evolução e os ambientes em que a vida evoluiu”, disse Lowe.

Esse período de bombardeio também afetou outros corpos no sistema solar, criando enormes buracos em Marte, Vênus, Mercúrio e a lua da Terra.

Cientistas reconstruíram uma colisão de asteroide que retrata a rocha o qual matou os dinossauros (há 65 milhões de anos) parecer um brinquedo. Esta enorme colisão ocorreu há 3,26 bilhões de anos e envolveu um asteroide de 37 por 57 Km de extensão – seis vezes maior do que a rocha que extinguiu os dinossauros. Ela criou uma cratera de 500 Km e gerou impactos sísmicos mais poderosos do que qualquer terremoto já registrado na história, segundo os pesquisadores.

“O impacto do asteroide foi, de longe, maior do que qualquer coisa em bilhões de anos”, disse Jay Melosh, da Universidade de Purdue, que não estava envolvido no estudo.



A COLISÃO DE ASTEROIDE SEIS VEZES MAIOR QUE DA ERA DOS DINOSSAUROS

Norman Sleep e Donald Lowe, ambos da Universidade de Stanford, mapearam os detalhes do impacto cataclísmico depois de estudar rochas na região da África do Sul.
Isso aconteceu em um local onde os cientistas podem nunca encontrar, mas deixou rastros em rochas da África do Sul em todo o planeta.
“Isto dá apoio significativo para a ideia de que o impacto pode ter sido responsável por uma grande mudança tectônica”, disse o geólogo Frank Kyte.

A colisão gigantesca provavelmente representou um grande desafio para a vida na Terra, que evoluiu há cerca de 3,8 bilhões de anos. O céu teria sido preenchido com poeira e, provavelmente, se tornou incrivelmente quente, enquanto as camadas superiores do oceano teriam evaporado, disseram os pesquisadores. Isso teria eliminado diversas formas de vida no planeta.

“Estamos tentando entender as forças que moldaram o nosso planeta no início de sua evolução e os ambientes em que a vida evoluiu”, disse Lowe.

Esse período de bombardeio também afetou outros corpos no sistema solar, criando enormes buracos em Marte, Vênus, Mercúrio e a lua da Terra.

D’Orsay, o museu dos impressionistas em Paris. Dicas imperdíveis.


Capa / França / D’Orsay, o museu dos impressionistas em Paris
D’Orsay, o museu dos impressionistas em Paris
Postado por: Declev Dib-Ferreira 08/09/2014 em França, Museus, Paris


Quando se pensa nos impressionistas – artistas quase que unanimidade entre o gosto dos admiradores – logo nos vem França à cabeça. E, sim, é verdade que este país era a base de quase todos eles.
Paris, então, era quase a “cidade-sede” do movimento, recebendo muitos deles durante décadas como moradores e também servindo de inspiração e cenário para seus quadros.
Podemos ver, por exemplo, no post Roteiro por Montmartre que muitos deles moraram e retrataram parte deste bairro em suas telas.
Então, você deve se perguntar, grande parte de suas obras devem estar na França, certo? Certo, certíssimo! E aqui, então, vai a dica: quer ver obras dos impressionistas? Vá no Musée d’Orsey!



O museu é pequeno e charmoso, construído dentro de uma antiga estação ferroviária (a Gare d’Orsay), na margem esquerda do rio Sena. O próprio prédio de inspiração art nouveau já é lindo, mas as obras, que cobrem o período de 1848 a 1914, formam um acervo impressionante (sem trocadilhos!).
O estação havia sido construída para a Exposition Universelle de 1900 (a próxima Exposição Universal será em Milão/2015). Mas, logo em 1939, com a eletrificação da rede de trilhos, as plataformas da Gare d’Orsay ficaram curtas para os novos trens e ela teve que deixar de funcionar como estação. Durante a Segunda Guerra o prédio foi utilizado como centro postal e, depois, utilizado como cenário do filme O Processo (texto de Kafka e direção de Orson Welles), em 1962. Em 1973 tornou-se Patrimônio Histórico da cidade e, em 1977, o presidente Valéry Giscard d”Estaing decidiu transformá-lo em museu de arte. O museu, finalmente, foi inaugurado em 1986.
É claro que não é só lá que podemos encontrar obras dos impressionistas – elas estão espalhadas por todo o mundo e em outros museus de Paris – mas muitas e muitas daquelas que nós estamos acostumados a ver nos livros de História ou de Artes estão por lá.
É muito emocionante dar de cara com uma delas.


Como eu disse, o museu é pequeno, então dá pra fazer ele todo, por exemplo, em uma manhã.
Agora uma notícia não muito boa pra quem nunca foi: antigamente podia tirar fotos, mas hoje não pode mais… que pena! Mas eu tive o privilégio de ir lá três vezes, então das duas primeiras eu pude tirar fotos livremente, da ultima já não pude mais. E são, portanto, as fotos que você pode ver aqui neste post.


De qualquer forma, se você gosta deste tipo de arte, você TEM que ir ao D’Orsey quando for à Paris.
Lá você encontrará autores como Renoir, Gauguin, Cézanne, Sisley, Manet, Monet, Degas, Toulouse-Lautrec, Pissarro, Van Gogh… nada mal, né?
E as obras cobrem não só pinturas, mas também muitas esculturas, desenhos, pastéis, esboços e utensílios domésticos da época.
É um passeio imperdível da cidade. Quando você for, leve com você o Roteiro de 7 dias em Paris e Arredores e também veja, aqui no blog, todas as nossas outras dicas de Paris e verificar os ingressos e passeios que poderá comprar com desconto antes de embarcar para lá.
Informações úteis:
- Endereço: 62, rue de Lile
- Como chegar: Metrô 12, estação Solférino | RER C estação Musée d’Orsay | Ônibus 24, 63, 68, 69, 73, 83, 84, 94
- Funcionamento: de 3ª a domingo, das 9:30 à 18h (5ª até 21:45h). Fecha às segundas
- Custo: € 11 – se comprar junto com o Musée l’Olangerie sai a € 16 e junto com o Musée Rodin, € 15
- Site: http://www.musee-orsay.fr/
Boa viagem!

terça-feira, 9 de setembro de 2014

PROSPERIDADE EXIGE ATITUDE...VENCER, O SUCESSO É DOS CORAJOSOS!


O SUCESSO É DOS CORAJOSOS!

 Por Deborah Furtado | Atitude, Felicidade, vida
Um item indispensável para o nosso sucesso pessoal é a coragem.
Na receita da felicidade e de uma vida satisfatória, este ingrediente precisa estar presente. Pois ele é a peça chave para transformações importantes. E o oposto disso é o medo. Ah, o velho inimigo da abundância do Bem, da prosperidade, dos bons relacionamentos, de tudo o que é bom. Porque o medo tem aniquilado a vida de muitas pessoas que se permitem serem acorrentadas por ele.

É medo da vida, da família, da sociedade, de Deus, do diabo, de tanta coisa! Mas o medo de ser infeliz, dificilmente temos. Passamos a vida com aquela vontade enorme de experimentar coisas novas, experiências diferentes, explorar novos lugares, quem sabe mudar de cidade e começar uma vida nova em outro estado, em outro país! Conhecer gente diferente, buscar novos relacionamentos! Quanta coisa a vida tem em seu leque de possibilidades!



Contudo, não tomamos posse de nada disso e vivemos a maior parte de nossos anos sobre a Terra naquele mesmo contexto morno, choco, sem novidade. Tudo isso porque não temos coragem de ir em busca do melhor, não temos coragem de dar os passos necessários para a construção de uma realidade diferente.
Preferimos abraçar o nosso medo, a nossa insegurança do desconhecido e passamos a viver numa redoma de vidro, chamada zona de conforto. Criamos um holograma que nos parece confortável a princípio e nos conformamos com aquilo, afinal, é melhor ter pouco do que não ter nada. Não é assim que as pessoas pensam? Entretanto, a longo prazo, o resultado é a infelicidade, as doenças, as muitas insatisfações e desgostos.

É assim que você pensa sobre sua vida? Você também se agarrou à zona de conforto e fez dela a sua realidade e esconderijo? Será que é por isso que sua vida é um saco?Décadas no mesmo emprego e na mesma situação! Por anos as pessoas se aprisionam, de repente, naqueles relacionamentos desgastados, fracassados, mas sem coragem de rompê-los, porque isso implica em desafiar o novo e cortar os laços do conforto criado por aquela relação. E quem não tem coragem fica sem motivação para dar os passos necessários e tomar as atitudes cabíveis às mudanças desejadas.
E o resultado é aquele que você já sabe, empurrando a vida com a barriga, sem gosto, sem sal, sem cor, condenando-se a viver anos e anos sentado no sofá da mesmice, enquanto olha a vida passar pela janela, lá fora, longe das mãos, fora de alcance. Que infelicidade! É assim que muitos têm vivido neste mundo e por causa de atitudes covardes e postura frouxa diante de si mesmo e da vida, põem-se no fundo do poço, no desgosto de ter que viver uma vida indesejada. Tudo isso por quê? Pela falta de coragem, essa coisinha tão simples, mas que se torna um grande desafio quando negamos a nossa força e colocamos o poder que possuímos nas mãos dos outros e da realidade externa.
Você quer vencer? Conquistar seus ideais e objetivos? Então, não tem outro caminho, é preciso coragem. A realização de qualquer coisa é feita por dois passos, o primeiro é o seu, o segundo, é o da vida. Deus não age enquanto o ser humano não o faz primeiro. As tarefas das forças divinas procedem à sua. Sem ousar e ir adiante, colocar a bolsa nas costas e meter a cara na vida, acreditando numa nova experiência, sem chances de Deus fluir em seu favor. Deus não ajuda covarde porque a covardia é uma vibração que não tem nada a ver com a natureza divina.
Tanto é que os covardes são infelizes. Morrem de vontade de viver, mas não se permitem porque o medo é maior do que sua motivação e amor próprio.
Quem se ama mesmo não se acovarda, porque reconhece que essa atitude o fará colher fracassos e dissabores. Somente a coragem pode fazer você chegar lá, na vida almejada. O que é pior? Levantar, enfrentar as situações e se expor por si mesmo e pelo próprio sucesso ou ter que engolir dia após dia a frustração de nunca tentar?


Vamos, deixe esse medo bobo pra lá! Não se permita ser escravo de algo que está sujeitando você à infelicidade. Lave a cara, jogue a vergonha no lixo, ela não presta, é orgulho. Timidez não é bom, tímidos são orgulhosos que decidem não se expor por medo das opiniões externas. Fique sem vergonha, ousado, destemido, valente, forte e atrevido. É isso mesmo, fique atrevido, dos atrevidos é o Reino dos céus meu caro, pois somente os ousados têm a coragem de se levantar da poltrona do conformismo e do comodismo para se servirem na mesa de Deus.

Ficar olhando de longe o banquete de realizações que o Criador oferece não vai te fazer feliz, mas, se levantar e se sentar à mesa, sim. Mas pra isso é preciso ter coragem de se assumir como merecedor e possuidor do melhor. Quando você fizer isso, te garanto: a vida vai te olhar com outros olhos, visto que os caminhos de bênçãos se abrem como tapetes diante daqueles que escolhem desfilar a exibir o seu brilho e sua identidade única no palco da vida.


Seja Feliz!
Por: Vinícius Francis – Via:

DESCOBERTOS 15 MONUMENTOS DESCONHECIDOS ENTERRADOS AO REDOR DE STONEHENGE.


  (Foto: Lucille Pine/ Flickr/ Creative Commons)

DESCOBERTOS 15 MONUMENTOS DESCONHECIDOS ENTERRADOS AO REDOR DE STONEHENGE

Publicado em 29 de agosto de 2014 | Por Deborah Furtado | Curiosidades, NoPlanetaUm estudo pioneiro, que usou técnicas de ressonância em 3D na área de Stonehenge, encontrou 15 estruturas desconhecidas (ou, no caso de algumas delas, pouco conhecidas) enterradas sob o círculo de pedras ou em sua proximidade. A pesquisa faz parte do “The Stonehenge Hidden Landscape Project”, uma iniciativa que já dura quatro anos e busca encontrar mais informações sobre os arredores das ruínas.

Stonehenge - A lot happens to Jack, Kate and I at this mysterious place. Kate…

Uma das descobertas foi batizada de Cursus – uma calha que corta um fosso de leste a oeste. Acredita-se que essa estrutura ficava alinhada com o Sol durante os equinócios de primavera e outono, indicando um caminho para o Stonehenge (ao sul) durante procissões religiosas.

Com as descobertas, acredita-se que é possível comprovar que a área de Stonehenge é a mais antiga a ser habitada na Grã-Bretanha, sendo ocupada desde 8820 a. C.

mistymorrning:  Spinster’s Rock, Drewsteignton, England

A técnica usada durante a pesquisa tem a vantagem de ser menos destrutiva do que técnicas arqueológicas tradicionais, que envolvem escavações. Mas, apesar das estruturas atuais já terem colaborado para uma outra visão de Stonehenge, cientistas afirmam que precisam, sim, cavar para conseguir fazer uma análise completa.

Via Huffington Post – (FOTO: LUCILLE PINE/ FLICKR/ CREATIVE COMMONS)

Via: Revista Galileu
Um pouco mais…
Stonehenge Passage | Flickr - Photo Sharing!

O mistério em torno de Stonehenge acaba de ficar ainda mais profundo.

Um estudo inédito do Instituto Ludwig Boltzmann sugere que 15 monumentos — poços, calhas, tinas, tumbas — do neolítico estão enterrados embaixo do círculo de pedras empilhadas e em seus arredores.

Para o estudo, pesquisadores utilizaram uma série de técnicas não-intrusivas, como um radar capaz de penetrar o solo e escaneamento 3d a laser para criar um mapa detalhado do subsolo de toda a área em um raio de cerca de 6 quilômetros.

Conhecido como “The Stonehenge Hidden Landscape Project” (algo como Projeto Paisagem Oculta de Stonehenge), o trabalho, que já dura quatro anos, sugere que havia muito mais coisas acontecendo naquela região do que sonhava nossa vã filosofia.

Para Vincent Gaffney, arqueólogo que faz parte do grupo de pesquisa, esses achados sugerem que as atividades em torno do monumento foram muito mais intensas do que se acreditava.

“Temos a ideia de que pouquíssimas pessoas acessavam esta região. Mas talvez houvesse sacerdotes, grandes homens dentro de Stonehenge fazendo procissões nas avenidas… Fazendo algo extremamente misterioso”, disse Gaffney à revistaSmithsonian.

A passagem e os outros novos monumentos provocaram uma “transformação total” na visão dos arqueologistas sobre a área, disse Gaggney. Ainda assim, “até que cavemos buracos, simplesmente não temos como saber o que existe ali”.

Stonehenge ~ England.  South England near Bath.  I loved this, the size and scope you cannot feel in a picture.  I loved to travel, it gave me depth.  I have always wanted to just see and feel everything

A nova pesquisa se baseia em descobertas de outubro que indicavam que a área em torno do Stonehenge é a mais antiga região continuamente ocupada da Grã-Bretanha. Os cientistas por trás da pesquisa disseram a ocupação na região pode ter começado a partir de 8820 a.C.

Via Brasil Post