sábado, 23 de dezembro de 2017

INTERESSA? A Verdade sobre o Natal. PARA TODA SUA VIDA.





A Verdade sobre o Natal
As comemorações natalinas acontecem e julgo oportuno compartilhar deste tema com todos do Corpo do Messias.
I
nicialmente gostaria de afirmar bem claro que não tenho a menor intenção em agredir suas tradições e seus costumes quanto à comemoração do natal, quer pelos católicos, protestantes, evangélicos, espíritas e por qualquer outra forma mesmo que ela não esteja filiada a uma religião denominada cristã. Mesmo nos países orientais de religião predominantemente budista muitos celebram a festa de natal.



Portanto, o objetivo de minha mensagem é esclarecer os fatos históricos, confrontar tradições e costumes com os ensinamentos bíblicos e deixar que cada leitor tire suas próprias conclusões, sem com isto, querer impor à ninguém aceitar meu ponto de vista.
Se você ler esta mensagem com este espírito com certeza tirará bom proveito.
Pensando bem, o que é o Natal?

Nesta época é comum enfeites nas portas das casas e no seu interior grandes ou pequenas árvores de Natal. Decorações nas ruas da cidade com bolas coloridas variadas, perus, leitões recheados, patos, gansos, muitas nozes, castanhas, passas de uvas, whiskys, champanhe, etc., não faltam para um família de classe média-alta. Enfim, todos dão um jeitinho, nem que seja comer um franguinho com farofa.



Às vezes acontece que muitas pessoas gastam muito dinheiro e herdam uma grande dívida para ser paga em suaves prestações no ano que vem, pois afinal, quem recebe um presente de natal se vê quase na obrigação de retribuir, tudo bem! Mas, quando não se pode, a coisa se complica e constrange até mesmo numa humilhação.

Para as pobres crianças de rua é tempo de tentação, pois vêem presentes e guloseimas expostas nas vitrines das lojas e fica por isso mesmo. Mas com certeza, as esmolas neste tempo se dobram também, pois é Natal. Afinal vamos dar uma trégua às dificuldades e problemas; vamos esquecer um pouquinho das coisas ruins, nos alegrando com a família, desejando a todos um “feliz natal” cheio de saúde, muita paz, e porque não dizer “boas festas”.
Mas afinal, o que se comemora no Natal? Muitos dirão: “Comemora-se o nascimento de Jesus Cristo”. Mesmo para a maioria dos cristãos o que isto significa não é muito fácil de se entender. Mas atualmente, até o Japão que é um país budista, comemora também o Natal. Então se pergunta: “Que espírito é este do Natal”?



Com toda consideração ao leitor, gostaria de compartilhar um pouco sobre as origens da festa natalina, pois não temos a intenção de criticá-lo ou tão pouco condená-lo porque você ainda comemora o Natal. Mas a verdadeira intenção é que você entenda o verdadeiro sentido do Natal, suas tradições e costumes, a fim de que você como salvo no Messias, esteja livre de todo paganismo do mundo moderno.
Se pesquisarmos um pouco, veremos que o Natal atual tem todas as características de uma festa pagã. Vejamos alguns exemplos:



Pinheiros

Os escandinavos adoravam árvores e sacrifícios eram feitos debaixo das árvores ao deus Thor. A Enciclopédia Barsa descreve que a árvore de Natal tem origem germânica, datando do tempo de São Bonifácio (800 d.C.). Os pagãos germânicos faziam sacrifícios ao carvalho sagrado de Odim (demônio das tempestades) e ao seu filho Thor. Bonifácio em sua obra missionária para os povos germânicos pagãos utiliza um carvalho para explicar-lhes sobre a ‘trindade’ (forma triangular e apontado para cima). Depois de convertidos ao cristianismo, esses povos acabaram adotando a ‘árvore de são Bonifácio’ como um símbolo de sua nova fé. Em momento algum Bonifácio estabelece um dogma ou uma instrução para que tal coisa fosse feita. Foi apenas um sincretismo que transformou a antiga tradição de adoração ao deus Thor no símbolo da trindade cristã.
Há também teorias que no séc. XVI, Martinho Lutero decora uma árvore no interior de sua casa para ensinar seus filhos como as estrelas brilham na escuridão. Como dito anteriormente, os cristãos germânicos continuaram o costume pagão de colocar-se árvores no interior de suas casas, mudando apenas seu simbolismo. O costume se espalhou para cristãos da Inglaterra e depois para outras regiões.



O ato de cortar as árvores para enfeitá-las é bem antigo. Vejamos o que diz o profeta Jeremias (10:3 e 4): “… porque os costumes dos povos são vaidades, pois cortam do bosque um madeiro, obra das mãos do artífice, com machado. Com prata e com ouro o enfeitam, com pregos e com martelos o firmam para que não se movam…”. Quando os pagãos se tornavam cristãos, normalmente sem uma profunda experiência com Yeshua ( Jesus), levavam consigo todos os costumes pagãos, apenas orientados a mudarem o simbolismo para valores cristãos. Portanto, é importante lembrar que não há, na história da Igreja Cristã, nenhuma ordenança ou mandamento nem sequer tradição que remeta a utilização de árvores como um símbolo do nascimento de Cristo. Mas, como era usual entre os líderes da religião católica, a continuidade de costumes e tradições pagãs mas com simbolismo alterado para valores cristãos, era uma poderosa ferramenta sócio/política para assegurar a transição do antigo império romano para a nova religião oficializada pelo imperador Constantino, no séc. IV d.C..


Escultura do séc. 9 a.C. , palácio de Ashur-Nasir-pal II, em Nimrud – Assíria (atual Iraque). Pode-se ver Ashur-Nasir-pal II e um espírito protetor tomar parte em rito do “pinheiro”.

Presépio

Foi instituído no século XIII por Francisco de Assis, que quis representar o cenário no qual Yeshua nasceu. É sabido que Francisco de Assis propositalmente coloca em seu presépio o “boi” e o “jumento” (animais que tradicionalmente fazem parte de qualquer presépio) como uma alusão à “ignorância” do judeu, remetendo ao texto de Is 1:3 “O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura; mas Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende”. (Is 1:3). Um claro elemento de antissemitismo sutilmente introduzido em todo presépio até os dias de hoje.



Presépio no Santuário de Fátima – Fátima – Portugal (nota-se o boi e o jumento sempre presentes)

Papai Noel

Noel, em francês, significa Natal. Porém, esta palavra não consta na Bíblia e sua origem, conforme minha pesquisa, é incerta. Há contudo, aqueles que ligam o mito Papai Noel com a lenda de São Nicolau, Bispo de Mira, na Ásia Menor, no século IV. A Holanda o escolheu como patrono das crianças e neste dia era costume dar presentes. Este costume, então, se espalhou pela Europa. Os noruegueses criam que a deusa Hertha aparecia na lareira e trazia consigo sorte para o lar. A lenda conta que as crianças colocavam seus sapatinhos na janela e São Nicolau passava de noite colocando chocolates e caramelos dentro dos sapatos. Tudo isto foi descaracterizando o verdadeiro espírito do Natal.



São Nicolau, bispo de Myra – santo homenageado pelos gregos e latinos no dia 6 de dezembro. Uma lenda da sua outorga sub-reptícia de dotes sobre as três filhas de um cidadão empobrecido deu origem ao velho costume de dar presentes em secreto na véspera de São Nicolau.

NASCIMENTO DE YESHUA (JESUS)

Até o ano 300 d.C. o nascimento de Yeshua era comemorado pelos cristãos em diferentes datas.
No ano 354 d.C. o papa Libério, sendo o imperador romano Justiniano, ordenou que os cristãos celebrassem o nascimento de Yeshua no dia 25 de dezembro. Provavelmente, ele escolheu esta data porque em Roma já se comemorava neste dia o dia de Saturno, ou seja, a festa chamada Saturnália. A religião mitraica dos persas (inimiga dos cristãos) comemorava neste dia o NATALIS INVICTI SOLIS, ou seja, “O Nascimento do Sol Vitorioso”.



Mosaico de Jesus Cristo retratado como Sol, ou “deus Sol”, no Mausoléu “M” na necrópole pré-quarto século sob a Basílica de São Pedro, em Roma. É nomeado “Christo Sole” (Cristo, o Sol) e é datado do final do século terceiro pelos arqueólogos italianos. Os deuses continuam os mesmos, só os nomes são alterados.
Na tentativa de “cristianizar” cultos pagãos, o clero da era das trevas (de Constantino até a Idade Média) tentou de todas as formas conciliar o paganismo com o cristianismo. Um bom exemplo disto foi a criação dos santos católicos, substituindo as festas e padroeiros pagãos. Vênus, deusa do amor; Ceres, deusa da colheita; Netuno deus do Mar; assim como São Cristovão é o padroeiro dos viajantes; Santa Bárbara, protetora dos trovões e o famoso Santo Antônio é o padroeiro do casamento.
É interessante notar que vários “pais” da Igreja católica deixaram registros de exortação contra as práticas pagãs dos recém-convertidos “cristãos” do império romano. Sobre o antigo costume romano de se pendurar coroas de flores (girlandas) nas portas das casas, Tertuliano (160 – 220 d.C.), escreveu para os cristãos: “Se vocês renunciaram aos templos, não transformem as vossas portas e as vossas casas em templos“. (A Idolatria – séc. III d.C).

Em 245 d.C., Orígenes de Alexandria, comentando sobre Lv 12:1-8, exorta os seguidores de Cristo que apenas ‘pecadores celebram’ aniversários (Enciclopédia Católica, 1911). Em 303 d.C., Arnóbio de Sica ridiculariza a ideia de celebração do nascimento de deuses, associando tal costume com o paganismo greco-romano, onde deuses eram concebidos e nasciam como seres humanos.

AFINAL, QUANDO NASCEU YESHUA? (Creio eu, ser uma verdade revelada – Hb 1.1)
Lucas foi o evangelista mais minucioso. Vejamos algumas passagens:

Lucas 2.8 – diz que haviam pastores guardando seus rebanhos durante as vigílias da noite. O inverno em Israel é rigoroso e isto é pouco provável que tenha acontecido no inverno.

Lucas 2.1 – diz que César Augusto convocou um recenseamento para o povo judeu. É pouco provável que realizariam um recenseamento no inverno, onde povo deveria percorrer a pé ou no máximo em lombo de animal, grandes distâncias durante o inverno. Além do mais, Yosef (José) não iria expor uma mulher grávida a andar a céu aberto nestas condições.



Lucas 1.5 – diz que naquele exato momento Zacarias servia no templo como sacerdote no turno de ABIAS. Isto é, os sacerdotes se revezavam no templo em turnos, (cada turno tinha um nome; ABIAS era o 8º turno, sendo portanto, um dos 24 turnos de revezamento dos sacerdotes).
Lucas 1.8,9 e 13 – diz que neste exato momento Zacarias recebe a anunciação do nascimento de Yohanam Ben Zechariah (João Batista – filho de Zacarias).

Lucas 1.23 e 24 – diz que Isabel estava grávida de João Batista.



Vejamos, portanto, quando realmente Yeshua(Jesus) nasceu. Analisando atentamente alguns versículos bíblicos, podemos concluir que Yeshua não nasceu em dezembro e sim nos prováveis meses de setembro ou quando muito outubro, meses em que os judeus comemoravam a Festa dos Tabernáculos, como diz João 1.14: “… e a Palavra se fez carne e habitou entre nós…”, “habitou” no original grego é ‘skenesei’ que se traduz como ‘TABERNACULOU’.

Êxodo 12.1 e 2 e Deuteronômio 16.1 – mencionam que a Páscoa é a principal festa do ano e acontece no primeiro mês.

Êxodo 23.15 – diz que Aviv é o primeiro mês do calendário religioso judeu (bíblico).

I Crônicas 24.7-10 – diz que os sacerdotes se revezavam em turnos de dois turnos/mês e que ABIAS era o oitavo turno.
Qual é, portanto, a dedução lógica para descobrir o mês do nascimento de Yeshua (Jesus)?
Nosso D’us, é um D’us lógico e para Ele não há coincidências. É bem provável que o primeiro turno dos sacerdotes deveria começar no primeiro mês religioso do calendário judaico, por quê? Imaginem, se os sacerdotes faziam rodízio para servir no templo, eles deveriam ter um mês de referência para que, antecipadamente, pudessem conhecer seus respectivos turnos e meses nos quais eles (os 24 sacerdotes) fariam o revezamento. E é bem lógico que eles escolheriam o mais importante dos meses judaicos, que era o primeiro mês, Aviv, no qual se comemora Páscoa. Então, se isto é lógico e aceitável, não restam dúvidas que o turno de ABIAS de Zacarias que era o oitavo da escala e coincidiu com o mês chamado TAMUZ. Ora, a Bíblia diz que poucos dias após Zacarias ter recebido a anunciação do anjo sobre o nascimento de João Batista (Yohanam Ben Zechariah), Isabel, sua mulher ficou grávida.
Lucas 1.25 e 36 – diz que estando Isabel no 6º mês de gravidez (mês de Tevet), foi ela visitada por Miriam (Maria mãe de Yeshua) que acabara de ficar grávida. Ora, se contarmos 6 meses no calendário judaico vamos concluir que Maria ficou grávida de Yeshua no mês de TEVET e, se contarmos nove meses a partir de TEVET chegaremos à conclusão que Yeshua HaMashiach (Jesus o Messias) nasceu nos meses de setembro ou no mais tardar em outubro, meses estes que coincidem sempre com o mês do calendário judaico de Tishrei (7º mês do calendário), no qual os judeus comemoram a Festa dos Tabernáculos.

O Calendário judaico é lunar e por isso há diferença entre os meses do calendário gregoriano, que é baseado no sistema solar.

À propósito, no jornal “Estado de Minas” do dia 16 de dezembro de 1990, foi publicada uma matéria pelo Prof. Nelson Travnik, do observatório Municipal de Campinas – SP, que os computadores já calcularam com base em dados astronômicos, que a data provável do nascimento de “cristo” foi em 15 de Setembro do ano 7 E.C.

Não tenho ferramentas ou argumentos científicos para endossar essa data e nem tão pouco informação Bíblica para contradizê-la. Mas, uma coisa eu sei, esta publicação veio exatamente confirmar essa mensagem, na qual eu já cria pela fé e por meio dos fatos bíblicos e históricos aqui mencionados.

CONCLUSÃO:

Devemos ter em mente que um determinado símbolo ou ato concebido, criado e instituído com propósitos pagãos, não pode ser ‘santificado’ trocando-lhe apenas os simbolismos. Não podemos ‘amenizar’ uma mentira, ou ‘atenuar’ uma inverdade por intermédio de uma simples ‘troca’ de significados. Um argumento ou raciocínio aparentemente lógico mas que é utilizado para produzir-se uma ilusão da verdade é chamado de SOFISMA. Somos ORDENADOS pelo Apóstolo Paulo a ANULAR todo tipo de sofisma no Corpo de Cristo: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós SOFISMAS e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo…” (2 Co 10:4-5). Paulo ainda declara em sua carta aos Romanos que “…mudaram a verdade de D’us em mentiras”, em relação a práticas idólatras (Rm 1:25).



Fique, portanto, no coração de cada um esta mensagem. Ore a D’us, peça para entendê-la bem. Julgue também a palavra. Tenho certeza que grande libertação virá na sua vida e com certeza você se sentirá mais livre das tradições mundanas, não sendo cúmplice e nem comungando com outros “espíritos” os quais não testemunham da verdade, que é o próprio YESHUA !

Seja sábio! Não saia agora por aí condenando tudo e todos. Seja autêntico! Você nasceu para ser luz onde há trevas. SEJA ESSA LUZ!
No Verdadeiro Shalom do Messias, Yeshua HaMashiach. Amém.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

"EMOÇÕES' ENTENDER, LIDAR COM ELAS: Diga que emoções você sente e eu lhe direi como você é

Imagem relacionada

Sabia que os seus sentidos influenciam as suas emoções e o seu estado de espírito? Os cheiros, os sons, as cores e até mesmo a luz do dia têm incidência direta no seu comportamento.

O despertador toca. Você tenta abrir os olhos, mas isso é difícil, e você não sabe por quê. Você não é capaz de criar um único pensamento, de tecer uma única ideia. Por fim, você se levanta. Abre a janela e olha para fora. O céu está cinzento. Como você se sente?

Clima. Luz. Cheiros. Sons. Tudo isso influencia o nosso estado de espírito. As emoções que você sente em cada momento. Pense na forma como você se veste quando está triste. A tendência natural é usar cores escuras como cinza, marrom ou preto.

Agora pense em momentos alegres. Tudo é colorido. Laranja, amarelo, verde, azul.
Os cheiros e os sons também evocam emoções

Um cheiro pode transportá-lo para um momento da sua infância, ao bolo que a sua mãe fazia para o seu aniversário. Uma música pode fazer você se lembrar de uma pessoa especial, seu primeiro baile, o primeiro beijo. Uma determinada canção pode evocar momentos felizes e outros nem tanto.



Seu estado de espírito pela manhã, as cores da roupa que você veste, as lembranças que tem, como você se comporta: tudo está relacionado com as emoções que você sente.

Todas essas emoções, ao contrário do que possa parecer, são boas. Você pode dar um valor positivo ou negativo, dependendo da forma como você se sente.

Sei que às vezes você não quer que as pessoas ao seu redor saibam como você se sente na realidade, e então esconde suas emoções com uma máscara para não parecer vulnerável ou triste. Outras vezes, é você mesmo que se engana de forma consciente sobre os seus verdadeiros sentimentos. Em qualquer caso, você veste uma armadura para se proteger e para que não te machuquem.

Mas sabe de uma coisa? Se as pessoas que te amam não sabem como você se sente, então elas não vão poder ajudar. E se você não pede ajuda, elas também não vão pedir. Aprenda a pedir. Possivelmente você aprendeu a não pedir nada, aprendeu que tem que ser autossuficiente.

Assim, quando você está em uma situação da qual não sabe como sair, não sabe ou não se atreve a pedir ajuda aos outros (lembrando que pedir ajuda não é ruim, muito pelo contrário, te aproxima ainda mais das pessoas que você ama), você está dizendo a elas que confias nelas. E as pessoas que te amam também têm emoções.
O que você acha de se sentir bem todos os dias?

Ao gerenciar as emoções também se aprende. Por exemplo, se você se sente triste, pode mudar seu estado de espírito vestindo cores alegres. Se você se sente melancólica, ouça uma música animada que te faça dançar. Quebrar as barreiras e mudar sua atitude perante as situações e as circunstâncias que fazem você viver sozinha está nas suas mãos. Você tem o poder de decidir como quer que seja o seu dia.

Existe um conto de Jorge Bucay que conta que a tristeza e a raiva se encontraram em uma lagoa mágica para tomarem banho em companhia uma da outra. A raiva, que como sempre tinha pressa, tomou banho muito rapidamente e saiu da água. Ela pegou suas roupas, mas como não distingue claramente a realidade, não se deu conta de que não eram as suas roupas, mas sim as da tristeza.

Assim, quando a tristeza saiu da água, lentamente e sem consciência do passar do tempo, se deu conta de que sua roupa não estava lá, e não teve outra hipótese senão vestir a única peça que encontrou: o vestido da raiva.


Resultado de imagem para alm expressões fotos
“Contam que, desde então, muitas vezes alguém se encontra com a raiva, cega, cruel, terrível e zangada. Mas se tomarmos tempo para olhar bem, nos damos conta de que esta raiva que vemos é apenas um disfarce, e que por trás do disfarce da fúria está, na verdade, escondida a tristeza.”
-(Trecho de “A Tristeza e a Raiva”. Contos para Pensar. Jorge Bucay)-

Portanto, leve isso em conta. Da mesma forma que às vezes você quer esconder suas emoções por trás de uma máscara, há outras pessoas fazendo o mesmo.


Saber gerir as emoções nem sempre é fácil

Quando você se envolve em uma discussão com seu parceiro ou com um amigo, lembre-se de que é possível que você esteja escondendo seus verdadeiros sentimentos por trás das palavras. Seus gritos podem ser somente um sinal para não demonstrar externamente o quanto você se sente mal.

Aprender a compreender os outros é um sinal de sabedoria. E você pode fazer isso se parar para pensar em como você se sente às vezes, no que significa para você e como determinadas emoções que você sente te afetam quando tem uma lembrança ou quando escuta uma melodia.

Está em suas mãos decidir como você quer que seja o seu dia. E lembre-se de que ser feliz também se aprende.

Quando você está triste, ouvir um ritmo musical alegre pode contribuir para mudar seu estado de espírito.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Por que acordamos com mau hálito? Aprenda a amenizar o problema.

Resultado de imagem para mau halito fotos

A maioria das pessoas costuma fazer um ritual de higiene bucal completo antes de dormir. Elas escovam os dentes, língua e bochechas, passam fio dental e finalizam com um enxaguante bucal. No entanto, na manhã seguinte, inevitavelmente acordam com mau hálito. Mas, por que será que isso acontece?
Para respondermos esta pergunta, primeiramente devemos lembrar que nosso corpo é habitado por bilhões de bactérias. Enquanto algumas são responsáveis por alguns problemas de saúde, outras são simplesmente essenciais para a proteção de nosso organismo, como as do intestino, que são importantes para nossa digestão. 
Resultado de imagem para mau halito fotos

Logo, embora ocorra uma higiene bucal completa, isso não impedirá que estes microrganismos deixem de colonizar nossa boca.
É durante a noite que essas bactérias da boca entram em ação, enquanto estamos de boca fechada e sem produzir saliva, caracterizando um ambiente úmido e quente para que se proliferem.
À medida que elas se alimentam de micropartículas de comida que inevitavelmente permanecem nos dentes, em um passo natural do processo de digestão, liberam um gás que resultará na halitose, ou mau hálito. Esse gás (geralmente com liberação de derivados de enxofre) somado aos restos de alimentos em decomposição nos dentes, pode causar o forte odor.
Como amenizar o mau hálito.

Saiba que é impossível acordar de manhã com um aroma de flores ou menta na boca. No entanto, há algumas coisas que você pode fazer para amenizar o cheiro ruim. Primeiro, considere a higiene completa da boca antes de dormir, incluindo o uso de fio dental. Beba muita água durante o dia e antes de dormir. Outra dica é periodicamente fazer uma limpeza completa da língua e amigdalas.

Resultado de imagem para mau halito fotos

As pessoas se esquecem completamente da língua na hora da higienização e pesquisas mostram que o grande vilão do hábito está justamente naquela “camada branca” que vemos na língua, chamada de saburra lingual. Ela precisa ser eliminada diariamente, fazendo parte da rotina de uma higienização completa.

acordar-com-mau-halito